Brasil Bolsonaro conhece programa que promete investir R$ 3 bi no Pará

Bolsonaro conhece programa que promete investir R$ 3 bi no Pará

Na Ilha de Marajó, presidente disse que não foi responsável pelo isolamento na pandemia e que ações do governo minimizaram dor dos humildes

  • Brasil | Do R7

Jair Bolsonaro lança programa Abrace o Marajó

Jair Bolsonaro lança programa Abrace o Marajó

TV Brasil / Reprodução 09-10-1983

O presidente Jair Bolsonaro participou nesta sexta-feira (9) do lançamento do Abrace o Marajó, programa fedral que, com 109 ações programadas, pretende investir R$ 1 bilhão em sua primeira fase na região da Ilha de Marajó, e R$ 3 bilhões no total.

Bolsonaro vira atendente da Caixa em agência-barco na Ilha de Marajó

Em seu discurso, o presidente elogiou a ministra Damares Alves, da pasta de Família, Mulher e Direitos Humanos, que falou pouco antes e emocionou a primeira-dama Michelle Bolsonaro. "Com todo respeito aos outros ministros, ela vale por três."

Bolsonaro disse que sentiu nesta sexta a emoção de pagar o auxílio emergencial a mais uma família, na agência-barco da Caixa da Ilha de Marajó. 

Ele voltou a declarar que o auxílio emergencial não é para sempre, por ser caro demais para a União. 

"Sabemos o efeito dessa pandemia, lamentavelmente alguns obrigaram vocês a ficar em casa. Eu não tive participação nisso por decisão do Supremo Tribunal Federal, mas fizemos todo o possível para minimizar a dor e especial o sofrimento dos mais humildes", afirmou o presidente.

"Nós, juntos, vamos sair dessa para uma outra muito melhor. O povo, em sua maioria é cristão, e quem tem Deus no coração supera qualquer obstáculo."

109 ações

Entre as ações do programa Abrace o Marajó estão a melhoria da internet banda larga nos municípios, aperfeiçoamento da rede de energia elétrica, esgoto, entrega de cestas básicas, atendimento médico e outros serviços aos moradores.

Em vídeo, o grupo Equatorial Energia anunciou investimentos de R$ 318 milhões na ampliação do sistema elétrico de três municípios da Ilha de Marajó.

O arquipélago tem boa parte de seus 16 municípios com problemas graves financeiros. Oito estão entre os 45 piores índices de desenvolvimento humano, segundo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). São eles Afuá, Anajás, Chaves, Melgaço, Portel, Curralinho, Bagre e Breves.

As empresas de telefonia foram obrigadas, por decreto presidencial, a fornecer banda larga à ilha. 

Damares faz rir e chorar

A ministra da Família, Mulher e dos Direitos Humanos, Damares Alves, que também estava no evento, abriu seu discurso afirmando que declarava Breves (PA) a capital do Brasil por 24 horas.

Depois de fazer rir, ela emocionou a primeira-dama e o presidente Bolsonaro, ao seu lado.

"Alguns anos atrás, ela [Michelle] estava na escola da filha dela, e nessa escola eles tinham um trabalho social aqui no Marajó. E lá passaram um vídeo da região. Ela escreveu num papelzinho: orar pelo Marajó, e colocou dentro da Bíblia dela. A Michelle orava pelo Marajá e jamais imaginou que um dia seria a primeira dama", contou a ministra. 

Michelle, na sequência, foi filmada pela TV Brasil limpando as lágrimas. 

Segundo Damares, corrupto não vai colocar a mão em nenhum recurso destinado ao programa e o governo vai acompanhar todas as ações, com um orçamento inicial de R$ 1 bilhão previsto para o Marajó, e um total, segundo ela, de R$ 4 bilhões em todas as fases.

O ministro das Minas e Energia, Bento Albuquerque, corrigiu o número final, dizendo que serão R$ 3 bilhões. "Serão atendidas mais de 400 mil pessoas [na região amazônica], mais de 80 mil famílias. Só aqui [na Ilha de Marajó] serão 42 mil moradores." 

O ministro das Comunicações, Fábio Faria, afirmou que foi ao local entregar internet de graça a 42 mil moradores da região. E será instalado no centro de Breves wi-fi gratuito à população.

"É uma ordem do presidente Bolsonaro levar internet ao povo do Amazonas", afirmou.

Últimas