Bolsonaro descarta Revalida para médicos formados no Brasil

Presidente eleito disse que proposta defendida pelo futuro ministro da Saúde não é considerada. Bolsonaro quer definir ministros até fim do mês

Bolsonaro contra revalida

bolsonaro. militares rj

bolsonaro. militares rj

José Lucena/ Futura Press/Estadão Conteúdo 25.11.2018

O presidente eleito Jair Bolsonaro descartou neste domingo (25) a possibilidade de submeter os médicos brasileiros ao Revalida – prova de avaliação e qualificação exigida para os profissionais formados fora do Brasil.

Por curso acessível, brasileiros vão ao Paraguai estudar medicina

A proposta é defendida pelo futuro ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta. Bolsonaro disse que a a hipótese não é considerada. Ele também criticou a prova realizada pela OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) aos recém-formados para que tenham o número da entidade.

"Eu sou contra o Revalida para os médicos brasileiros, senão vai desaguar na mesma situação que acontece na OAB. Não podemos formar jovens e depois submetê-los a ser boys de luxo em escritórios de advocacia", afirmou o presidente eleito.

A afirmação de Bolsonaro ocorreu depois de ele participar de almoço na Escola de Educação Física do Exército, na Urca, no Rio de Janeiro, para participar do 10º Encontro do Calção Preto, que reúne antigos e atuais comandantes, professores e monitores da escola.

Indicações

No Rio, Bolsonaro reafirmou a disposição de concluir a montagem de sua equipe ministerial até a próxima semana. Ele disse que negocia com as bancadas e não com os partidos. São aguardadas definições para os ministérios do Meio Ambiente, da Cultura, do Esporte, dos Direitos Humanos, Minorias e Mulheres. 

"Estamos escolhendo o melhor, conversando com as bancadas e não com os partidos, de forma independente, e isenta. Que sejam [pessoas] honestas e pensem no Brasil e não na agremiação partidária."

Votações

Bolsonaro reiterou a importância de o Congresso Nacional votar temas de relevância. Segundo ele, o empenho não é para o presidente da República ou o Parlamento, mas para o país.

"[As votações] são para o país e aí vai da consciência de cada um. Eu decidi, há quatro anos, quando iniciei a minha campanha, fazer uma política diferente. Se vai dar certo, espero que sim. A mesma é que daria errado."