Bolsonaro diz que diretor da PF é subordinado a ele e não a Moro

Em mais uma demonstração de poder, o presidente da República não descartou a possibilidade de eventualmente trocar o chefe da Polícia Federal

O presidente Jair Bolsonaro

O presidente Jair Bolsonaro

Marcos Corrêa/PR - 20.08.2019

O presidente Jair Bolsonaro voltou a reforçar, nesta quinta-feira (22), que o diretor-geral da Polícia Federal (PF), Maurício Valeixo, é subordinado a ele, e não ao ministro da Justiça e da Segurança Pública, Sergio Moro.

Em mais uma demonstração de poder, Bolsonaro não descartou a possibilidade de eventualmente trocar o chefe da PF.

"Se eu trocar (o diretor-geral da PF) hoje, qual o problema? Está na lei que eu que indico e não o Sérgio Moro. E ponto final", declarou Bolsonaro em conversa com jornalistas, pela manhã. "Ele (Valeixo) é subordinado a mim, não ao ministro. Deixo bem claro isso aí. Eu é que indico. Está bem claro na lei", declarou.

Na sexta, a reportagem mostrou que a Polícia Federal ameaçava "implodir" caso o ministro cedesse a uma interferência do Planalto. A reportagem mostrava que, se Bolsonaro insitir em impor sua vontade, para Moro restariam duas alternativas: uma seria aceitar e perder o controle da Polícia Federal; a outra, rejeitar a interferência e pedir demissão. Naquele dia, Bolsonaro ainda havia dito que é ele "quem manda" e afirmou que colocaria na vaga de superintendente do Rio o responsável pelo Amazonas, próximo da família.

Questionado se há, de fato, intenção de trocar o chefe da PF, Bolsonaro respondeu que, se o fizer, será "na hora certa". "Hoje eu não sei. Tudo pode acontecer na política", respondeu.

Na quarta, o presidente afirmou ser um mandatário que pode "interferir mesmo" em alguns órgãos federais se for preciso. Nesta quinta, reforçou o posicionamento dizendo que supostas ingerências são, na sua visão, uma forma de "mudança".

"Quero que se combata a corrupção, que façam as coisas da melhor maneira possível. Eu não estou acusando ninguém de fazer nada errado. Mas a indicação é minha. Por isso elegeram o presidente da República. Se não pudesse ter ingerência, interferência - para mim é mudança -, seria mantido o anterior, o cara que foi nomeado antes iria ficar até morrer", disse.

Ele reclamou de uma "onda terrível" que teria ocorrido após trocas nas superintendências da PF - que se intensificou com o anúncio do presidente sobre a saída do superintendente do Rio em coletiva de imprensa.

"Agora há uma onda terrível sobre superintendência. Onze (superintendentes) foram trocados e ninguém falou nada. Sugiro o cara de um Estado para ir para lá e dizem 'está interferindo'. Espera aí. Se eu não posso trocar o superintendente, eu vou trocar o diretor-geral. Não se discute isso aí", afirmou.

"Se é para a não interferência, o diretor anterior, que é o que estava lá com o (ex-presidente Michel) Temer, tinha que ser mantido. Ou a PF agora é algo independente? A PF orgulha a todos nós, e a renovação é salutar, é saudável. O Valeixo pode querer sair hoje. Não depende da vontade dele", reforçou Bolsonaro.