Brasil Bolsonaro diz que ex-assessor do filho 'tem que explicar' depósitos

Bolsonaro diz que ex-assessor do filho 'tem que explicar' depósitos

Orgão do Ministério da Fazenda encontrou movimentação suspeita em contas de ex-funcionário de Flávio Bolsonaro

bolsonaro

Bolsonaro foi a agência bancária e tomou água de coco no Rio neste domingo

Bolsonaro foi a agência bancária e tomou água de coco no Rio neste domingo

Tânia Regô/Agência Brasil - 09.12.2018

O presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) afirmou neste domingo (9) que o ex-funcionário do filho Flávio Bolsonaro, Fabrício José de Carlos Queiroz, dará explicações sobre as movimentações financeiras suspeitas identificadas pelo Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras), um órgão do Ministério da Fazenda.

Questionado se enxergava com "naturalidade" os depósitos feitos na conta de Queiroz, o futuro presidente disse que o ex-assessor é quem tem as respostas. "Ele tem que explicar. Pode ser e pode não ser", disse Bolsonaro, sem especificar se estava se referindo a alguma irregularidade específica.

"Das três pessoas que repassaram mais de R$ 4 mil ao longo de um ano, duas eram filhas e uma, esposa. Um repassou R$ 800. Não repassou, botou na conta dele. R$ 800 é repasse ao longo de um ano? Pelo amor de Deus", afirmou aos jornalistas ao retornar de um breve passeio, no qual sacou dinheiro numa agência bancária e parou num quiosque na beira da praia.

Bolsonaro foi até uma agência bancária no domingo

Bolsonaro foi até uma agência bancária no domingo

Divulgação

Bolsonaro disse, ainda, que não conversou com o ex-assessor do filho sobre o caso. O Coaf apontou movimentação financeira atípica de R$ 1,2 milhão na conta bancária do ex-motorista de Flávio, como revelou o jornal O Estado de S.Paulo. Houve depósitos feitos, inclusive, por outros assessores do gabinete.

"Um dos assessores repassou R$ 800 [ao Queiroz]. Outro R$ 1.500. Duas passaram valor idêntico, não sei nem o que é isso, R$ 2.300. Os três repasses... Repasses não, os depósitos mais altos foram as filhas e as esposas [que fizeram]", afirmou Bolsonaro aos jornalistas na porta de sua casa, no Rio.

O Coaf indicou que a conta de Queiroz recebeu diversos depósitos incompatíveis, a princípio, com sua renda. Um cheque de R$ 24 mil foi emitido por Queiroz para Michelle Bolsonaro, futura primeira-dama.

Domingo

Bolsonaro saiu da casa onde mora, em um condomínio na Barra da Tijuca, na zona oeste do Rio, pouco antes do meio-dia deste domingo. Ele foi a um caixa eletrônico de uma agência bancária. O presidente eleito deixou a residência em um carro sob escolta de agentes da Polícia Federal.

Neste domingo, na portaria do condomínio, alguns simpatizantes não conseguiram ver o presidente eleito porque os vidros do carro estavam fechados com a proteção de uma película escura, que impedia enxergar quem estava em seu interior.

As irmãs Maria Dalva Serpa Fontana, de 73 anos, e Maria Iolanda Serpa Buchele, de 79 anos, são da cidade de Porto Belo, em Santa Catarina e aproveitaram a visita ao Rio para tentar ver o presidente eleito. “É o dia que a gente vem. Na outra não consegui nada, mas estou com esperança”, disse a aposentada Maria Dalva. “A minha irmã avisou que ele estava vindo, mas foi tão rápido que não deu nem para pegar o celular e tirar foto”, acrescentou.

    Access log