Bolsonaro diz que fechará embaixadas ociosas

Presidente eleito também reafirmou que vai escolher para ministro das Relações Exteriores alguém focado no comércio e sem "viés ideológico"

Bolsonaro vai fechar embaixadas ociosas

Bolsonaro vai fechar embaixadas ociosas

José Cruz/Agência Brasil 07.11.2018

O presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), disse nesta quarta-feira (7) que fechará as embaixadas que considerar ociosas e que procura um diplomata de carreira e "sem viés ideológico" para ser chanceler no futuro governo. "Estamos buscando alguém que faça comércio e conduza essa parte, que é importante, sem viés ideológico, nem de direita nem de esquerda."

Bolsonaro recebe embaixador da Itália e discute situação de Battisti

Bolsonaro afirmou ainda que, assim como para o Ministério da Defesa será escolhido um nome "quatro-estrelas", nas Relações Exteriores será nomeado um diplomata. Ele também disse que discutirá se acabará ou não com a Embaixada da Palestina em Brasília, após ser perguntado por jornalistas. "O problema é que ela está muito próxima ao Palácio do Planalto, nenhuma embaixada pode estar tão próxima assim do presidente da República. Nenhuma não ela (especificamente)."

Bolsonaro ameaça cortar relações diplomáticas com Cuba

Bolsonaro foi questionado ainda sobre a possibilidade de transferir a Embaixada do Brasil em Israel de Tel-Aviv para Jerusalém, conforme havia dito na campanha, e respondeu que "quem decide a capital de um Estado é o respectivo Estado". Numa primeira reação do mundo árabe às declarações pró-Israel do presidente eleito, o governo do Egito suspendeu uma visita oficial que o ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes Ferreira, faria ao país nesta semana. O encontro, a convite dos egípcios, tinha o objetivo de expandir o comércio entre as duas nações.

"Não vejo por que essa celeuma toda. Essa questão do Egito nada tem a ver com o que falei durante a campanha. As informações que tive é de que não foi cancelado, foi adiado", disse. "Todo mundo tem negócio, ninguém quer perder negócio. É prematuro qualquer retaliação de uma parte ou de outra numa coisa que não aconteceu ainda, mas pode acontecer", repetiu. Bolsonaro finalizou a entrevista dizendo que gostaria de viajar para os Estados Unidos e outros países antes da posse, mas que, por causa do estado de saúde, deve permanecer no Brasil.