Bolsonaro diz que governo monitora possíveis protestos no Brasil

Embora direito de se manifestar seja garantido pela Constituição, presidente considera que os atos só são legais quando se respeita 'o direito do próximo'

Bolsonaro diz que governo monitora possíveis protestos no Brasil

Governo monitora reuniões para se antecipar a possíveis protestos, diz Bolsonaro

Governo monitora reuniões para se antecipar a possíveis protestos, diz Bolsonaro

José Dias/PR - 23.10.2019

O presidente Jair Bolsonaro afirmou que o governo tem monitorado reuniões para se antecipar a possíveis manifestações no Brasil. Embora o direito ao protesto seja garantido pela Constituição, o presidente considera que os atos só são legais "quando você reivindica respeitando o direito do próximo".

Veja mais: Bolsonaro convida Xi Jinping para o 'maior leilão de petróleo e gás da história'

Bolsonaro também voltou a demonstrar preocupação com os protestos no Chile, que classificou como atos terroristas. "Praticamente todos os países da América do Sul tiveram problema. O do Chile foi gravíssimo. Gravíssimo. Aquilo não é manifestação nem reivindicação. São atos terroristas", declarou o mandatário brasileiro durante conversa com jornalistas, em Pequim (China).

Leia também: Bolsonaro: Brasil e China estão quase 100% afinados na economia

Bolsonaro reforçou que tem mantido conversas com o Ministério da Defesa para, além do monitoramento, ter as tropas "preparadas" para reprimir protestos semelhantes aos do Chile no Brasil. "Tenho conversado com a Defesa nesse sentido, a tropa tem que estar preparada porque, ao ser acionada por um dos três Poderes, de acordo com o artigo 142, estarmos em condição de fazer a manutenção de lei e da ordem."

O presidente disse que recebeu vários informes sobre como os manifestantes se organizam, além de possíveis reuniões e atos preparatórios para atos contrários ao governo que ele considera "não legais". "Porque as manifestações são legais, tudo bem, quando você reivindica respeitando o direito do próximo", afirmou.

Vazamento também é ato terrorista

O presidente também classificou como ato terrorista o vazamento de petróleo na costa brasileira — caso fique comprovado que foi um ato intencional.