Brasil Bolsonaro diz que negociações sobre clima são 'jogo comercial'

Bolsonaro diz que negociações sobre clima são 'jogo comercial'

Ministro do Meio Ambiente do Brasil, Ricardo Salles, afirmou mais cedo, em nota no Twitter, que cúpula da ONU 'não deu em nada' 

Bolsonaro: 'alguma resolução é para a Europa começar a ser reflorestada?'

Bolsonaro: 'alguma resolução é para a Europa começar a ser reflorestada?'

Adriano Machado/Reuters

O presidente Jair Bolsonaro afirmou que as negociações em torno de metas climáticas são apenas um "jogo comercial" e lembrou que a cúpula do clima da ONU, que terminou neste domingo sem avanços relevantes, não aconteceu no Brasil por uma decisão sua.

Leia também: Ricardo Salles diz que “COP-25 não deu em nada”

"Por que que eu não aceitei a COP25 no Brasil? Eu não aceitei, eu que decidi. Estariam fazendo aqui um Carnaval no Brasil agora", afirmou o presidente a jornalistas neste domingo (15) na porta do Palácio da Alvorada ao ser questionado sobre o desfecho da cúpula.

"Quero saber, alguma resolução é para a Europa começar a ser reflorestada ou só ficam perturbando o Brasil? É um jogo comercial, eu não sei como, né, que o pessoal não consegue entender que é um jogo comercial", acrescentou o presidente.

A COP25, em seu comunicado final, apoiou apenas uma declaração sobre a "necessidade urgente" de fechar a lacuna entre as emissões atuais e as metas de temperatura do Acordo do Clima de Paris, de 2015 -um resultado que o secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, chamou de decepcionante.

Leia também: Após atrasos e impasses, países aprovam texto final da COP25

Brasil, China, Estados Unidos, Austrália e Arábia Saudita lideraram a resistência a uma ação mais ousada, disseram delegados.

O ministro do Meio Ambiente do Brasil, Ricardo Salles, afirmou em nota no Twitter que a cúpula "não deu em nada". "Países ricos não querem abrir seus mercados de crédito de carbono. Exigem medidas e apontam o dedo para o resto do mundo, sem cerimônia, mas na hora de colocar a mão no bolso, eles não querem", disse Salles.