Brasil Bolsonaro: Forças Armadas estão prontas para cumprir dever

Bolsonaro: Forças Armadas estão prontas para cumprir dever

Durante almoço com cúpula militar no Clube da Aeronáutica de Brasília, presidente afirmou ainda que país se saiu "bem" na questão da pandemia

Em confraternização de fim de ano das Forças Armadas, o presidente Jair Bolsonaro disse hoje, 9, que vê na caserna um "conforto" em caso de "qualquer imprevisto". O chefe do Executivo participou de almoço com o ministro da Defesa, Fernando Azevedo, e comandantes das Forças Armadas. O evento ocorreu no Clube da Aeronáutica de Brasília. O vice-presidente Hamilton Mourão e ministros palacianos também participaram da confraternização. Apesar da tendência de aumento de casos do novo coronavírus e das mais de 178 mil mortes pela doença no Brasil, Bolsonaro disse no evento que o País se saiu "bem" na questão da pandemia.

Antes do almoço com as Forças Armadas, presidente participou do "Fórum: O Controle no Combate à Corrupção 2020"

Antes do almoço com as Forças Armadas, presidente participou do "Fórum: O Controle no Combate à Corrupção 2020"

Marcos Corrêa/PR/09-12-20

"Os momentos de conforto que eu tenho em grande parte é pela certeza de que, em havendo qualquer imprevisto, as Forças Armadas estão prontas para cumprir com o seu dever e ajudar o próximo", afirmou. Bolsonaro lembrou que o início de sua gestão foi marcado por "uma situação bastante triste" envolvendo o desastre ambiental de Brumadinho, que contou com apoio das Forças Armadas.

Bolsonaro citou que o governo é alvo de críticas que buscam desacreditar o seu trabalho, mas que, apesar disso, o País se saiu "bem" durante a pandemia da covid-19. "Buscam com lupa possíveis defeitos. Buscam de todas as maneiras até mesmo nos desacreditar e passamos um momento dificílimo com a pandemia. Juntamente com os nossos outros colegas, ministros civis, nos comportamos muito bem, não só na questão da economia, bem como na busca de diminuir o sofrimento de nossos irmãos", declarou.

Ele citou ainda a atuação dos militares em novembro durante o apagão no Amapá. "Quem nos dois episódios (Amapá e Brumadinho) estava na frente para buscar melhorar a dor dos nossos irmãos eram os militares e isso nos orgulha", disse. Em um aceno à Mourão, o chefe do Executivo destacou que a presidência e vice-presidência são ocupadas por militares. "O Brasil olha para nós. Tem um presidente e um vice que são militares", observou.

Em tom otimista, o presidente afirmou que o ano que vem será "muito melhor do que 2020". Em seu discurso, Bolsonaro ainda destacou que deseja entregar um Brasil melhor para que substituí-lo. "Peço a Deus que nós tenhamos assumido esse governo para que não fiquemos eternamente, mas que as nossas missões, os nossos exemplos, os dois anos sem qualquer indício de corrupção, façam a diferença."

Cerca de 75 pessoas participaram do almoço, que normalmente é um evento de fim de ano para mais de 300 convidados com a participação de todos os oficiais generais. Neste ano, devido às restrições do novo coronavírus, o evento reuniu apenas generais quatro estrelas, além de ministros e assessores militares. Diagnosticado com a covid-19 e ainda se recuperando de uma cirurgia no fêmur, o general Edson Leal Pujol, do Exército, não compareceu ao evento.

Em seu discurso, Fernando Azevedo ressaltou e agradeceu a atenção de Bolsonaro com a área da Defesa. "Reconhecemos o claro empenho do seu capital político para viabilizar importantes soluções na área da defesa." O ministro citou que o governo tem apoiado iniciativas de "modernização permanente do instrumento militar".

"A paz não é uma garantia, é uma conquista. Evitar conflitos é o trabalho mais nobre que temos o dever de fazer. Até agora, a estratégia da dissuasão e da presença adotada no Brasil tem sido uma opção segura. Devemos persistir neste caminho", salientou Azevedo. O comandante da Aeronáutica, Antonio Carlos Bermudez, anfitrião do encontro, também falou em nome dos militares no evento e destacou a vitória democrática de Bolsonaro nas eleições de 2018.

"Ao ganhar democraticamente as eleições presidenciais, o senhor (Bolsonaro) recebeu do povo a confiança para liderar essa nação e assumiu o compromisso de garantir uma vida mais digna a nossa gente, plena de oportunidade", citou. E acrescentou: "As Forças Armadas acreditam que somente uma nação livre tem assegurada a certeza de um desenvolvimento condigno. Afirmamos que estaremos juntos e fortes cumprindo as missões que nos forem designadas para que o nosso Brasil possa permanecer em voo estável e ascendente rumo ao futuro que todos desejamos."

Últimas