Bolsonaro não descarta apoio a ação militar dos EUA na Venezuela

Situação no país sul-americano foi discutida pelo presidente brasileiro e pelo americano Donald Trump em reunião na Casa Branca

Trump Bolsonaro

Democracia na Venezuela é interesse comum, diz Bolsonaro

Democracia na Venezuela é interesse comum, diz Bolsonaro

Carlos Barria/Reuters

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta terça-feira (19) não poder comentar discussões que possa ter mantido com o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, sobre uma eventual ação militar na Venezuela.

Questionado se o Brasil poderia dar suporte a forças norte-americanas para tirar o presidente Nicolás Maduro do poder, Bolsonaro disse que o tema é estratégico.

"Tudo o que tratarmos aqui será honrado, mas infelizmente certas informações se porventura vierem à mesa, não podem ser debatidas de forma pública."

Apesar da afirmação, Bolsonaro ressaltou que o Brasil fará "o que for possível para solucionar o problema da ditadura venezuelana".

Bolsonaro e Trump se reuniram na Casa Branca na tarde desta terça-feira e entre os temas esteve a crise na Venezuela.

Ao final, o presidente dos EUA disse que não há um prazo específico para que haja uma solução na Venezuela, mas que "em algum ponto as coisas vão mudar". Assim como já tinha dito antes, Trump disse que "todas as opções permanecem na mesa".

"Ainda não impusemos as sanções mais duras, mas podemos fazer isso a qualquer momento. Podemos ser muito mais duros se quisermos. Mas é realmente muito triste. Queremos cuidar das pessoas que estão passando fome e morrendo nas ruas."

O presidente do Brasil exaltou o governo que Trump tem feito nos Estados Unidos e o convidou para uma visita oficial. "Será muito bem-recebido pelo povo brasileiro."