Brasil Bolsonaro nega existência de orçamento paralelo no governo

Bolsonaro nega existência de orçamento paralelo no governo

Presidente se manifesta sobre acusação de favorecimento da base aliada para conquistar apoio e ataca jornalistas: 'canalhas'

  • Brasil | Do R7, com Agência Estado

Bolsonaro negou existência de orçamento paralelo de R$ 3 bilhões

Bolsonaro negou existência de orçamento paralelo de R$ 3 bilhões

Alan Santos/PR - 05.05.2021

O presidente Jair Bolsonaro se manifestou nesta terça-feira (11) pela primeira vez, sobre o esquema montado pelo governo para conquistar apoio por meio de um orçamento paralelo de R$ 3 bilhões. Bolsonaro insultou o Estadão por ter revelado o caso.

Leia também: 'Quem não deve não teme', diz Mourão sobre chance de nova CPI

"Inventaram que eu tenho um orçamento secreto agora. Tenho um reservatório de leite condensado, três milhões de latas. Eles não têm o que falar. Como um orçamento foi aprovado, discutido por meses e agora apareceu R$ 3 bilhões? Só os canalhas do Estado de S. Paulo para escrever isso aí", afirmou o presidente a apoiadores no Palácio da Alvorada.

Embora o Orçamento seja votado anualmente pelo Congresso, a operação montada pelo presidente para aumentar sua base de apoio no Legislativo distribuindo esses recursos foi sigilosa.

Como revelou o Estadão, a distribuição dos valores foi negociada em gabinetes do Palácio do Planalto, por meio de ofícios para indicar a aplicação do dinheiro e, em alguns casos, sem qualquer registro por escrito. Deputados ditaram para os ministros para onde enviar os recursos, o que comprar e até mesmo o preço que deveria ser pago.

Na votação do Orçamento, Câmara e Senado indicam o volume de recursos que é destinado aos ministérios por meio de emendas. No caso do orçamento secreto, o dinheiro foi previsto em uma nova forma, chamada de RP9, criada em 2020.

Nesta modalidade, os nomes dos parlamentares não aparecem, até porque esse direcionamento fere leis orçamentárias e até mesmo um veto de Bolsonaro. Na ocasião, o presidente alegou que permitir a alocação dessa verba por ordem de congressistas contraria o "interesse público".

Na conversa com os apoiadores na manhã desta terça-feira, Bolsonaro se esquivou de assumir a responsabilidade pelo orçamento secreto e disse que se a verba federal foi aplicada de forma irregular a culpa é dos gestores locais.

"Eles batem na tecla de corrupção o tempo todo. Zero corrupção no meu governo, zero. Outra coisa, se alguém na ponta da linha, mandamos dinheiro para Estados, se alguém comprou algo superfaturado, não tenho essa responsabilidade", disse o presidente.

O caso não apenas será alvo de investigação no Ministério Público e no TCU (Tribunal de Contas da União) como parlamentares já falam até mesmo na criação de uma CPI. O Estadão revelou que Bolsonaro entregou para um grupo de deputados e senadores o direito de impor onde seriam aplicados bilhões de reais, provenientes das RP9, que têm a liberação determinada pelo relator do orçamento no Congresso, não por ministros.

Últimas