Brasil Bolsonaro: 'Politica de fechar tudo e ficar em casa não deu certo'

Bolsonaro: 'Politica de fechar tudo e ficar em casa não deu certo'

Em inauguração de ponte no Nordeste, presidente voltou a insistir no fim do confinamento como medida sanitária contra covid

  • Brasil | Do R7

Bolsonaro durante discurso de inauguração da ponte sobre Rio São Francisco, em Sergipe

Bolsonaro durante discurso de inauguração da ponte sobre Rio São Francisco, em Sergipe

Reprodução/YouTube/TV Brasil

O presidente da República, Jair Bolsonaro, afirmou nesta quinta-feira (28), durante inauguração de obra no nordeste, que "a política de fechar tudo e ficar em casa não deu certo" e que "se envergonharia" se fosse um dos brasileiros que não pudessem trabalhar para levar o sustento para casa.

"O apelo que faço eu faço todos aos governadores. É a minha opinião, apenas. Não estou dizendo se está certa ou errada. A política de fechar tudo e ficar em casa nao deu certo! O povo brasileiro é forte. O povo brasileiro nao tem medo do perigo. Nós sabemos quem são os mais vulneráveis: os mais idosos e os com comorbidades. O resto tem que trabalhar", disse.

Bolsonaro participou, junto a ministros e outros políticos da região, da abertura de tráfego da nova ponte sobre o Rio São Francisco. A via está localizada na BR-101 e liga os estados de Sergipe, pela cidade de Propriá, a Alagoas, no município Porto Real do Colégio.

"Meu pai sempre me ensinou: se coloque no lugar das pessoas antes de tomar uma decisão. Se eu fosse um dos muitos de vocês que fosse obrigado a ficar em casa, ver a esposa com três, quatro filhos e eu não ter como, [sendo] chefe do lar, levar comida para casa, eu me envergonharia", disparou o presidente.

Autoridades sanitárias, inclusive a Anvisa, ligada ao governo federal, afirmam que enquanto grande parte da população não for vacinada, medidas como distanciamento social são necessárias para aumentar o contágio e, consequetemente, as mortes pelo novo coronavírus.

Empregos

O chefe do Executivo nacional comemorou os resultados do Caged, anunciados nesta quinta-feira pelo Ministério da Economia.

"Nós terminamos 2020 com mais gente com carteira assinada que dezembro de 2019. Mesmo durante a pandemia, recuperamos isso daí", disse, apelando para o fim das medidas de distanciamento social adotadas por governadores e prefeitos.

Apesar de ter ocorrido em dezembro o fechamento de 67.906 vagas de trabalho formal no país, o saldo do ano é positivo em 142.690 postos.

"Assim sendo, o apelo que eu faço a todos do Brasil que reformulem essa política e entendam cada vez mais que o isolamento, o lockdown, o confinamento nos levam para a miséria. Eu sempre disse lá atrás: a economia anada de maos dadas com vida. A vida sem recursos, a vida sem emprego torna-se muito difícil.

O anúncio dos resultados do Caged ocorre no mesmo dia em que o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) divulga que o desemprego no país se manteve alto e atinge 14 milhões de brasileiros

A explicação para a diferença, aparentemente contraditória, é a de que o dado da Ministério da Economia se refere apenas às vagas formais, com carteira assinada, enquanto o do IBGE fala de todos os tipos de trabalho.

Respondendo às críticas sobre a lentidão na aquisição de vacinas para acelerar o Plano Nacional de Imunização, Bolsonaro reafirmou que o governo tem trabalhado, desde o ano passado, na compra dos insumos.

"Eu sempre disse que, depois que passar pela Anvisa, a gente compra. Seja ela [vacina] qual for. A europa e alguns paises da América do Sul não tem. Nós assinamos convênios, fizemos contratos de compromisso, desde setembro, com vários laboratórios. Vacinas começaram a chegar e vão chegar todas num curto espaço de tempo", prometeu.

Últimas