CPI da Covid

Brasil Bolsonaro repete filho Flávio e dispara contra Renan: 'Vagabundo'

Bolsonaro repete filho Flávio e dispara contra Renan: 'Vagabundo'

Em Maceió (AL), presidente chamou ainda o relator da CPI da Covid de traidor: 'Se quer fazer show querendo me derrubar, não fará'

  • Brasil | Do R7

Presidente fez entrega simbólica de 500 imóveis

Presidente fez entrega simbólica de 500 imóveis

Alan Santos/PR - 13.05.2021

Durante evento em Maceió (AL) para entrega de unidades habitacionais a famílias de baixa renda, nesta quinta-feira (13), o presidente Jair Bolsonaro disparou contra o relator da CPI da Covid, senador Renan Calheiros (MDB), que é do estado nordestino.

O chefe do executivo repetiu o xingamento do filho, senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), que classificou o opositor ao governo de "vagabundo". O presidente acrescentou ainda outras ofensas, como "picareta" e "traidor".

"Todos temos uma missão nessa Terra. Agradeço a Deus pela minha segunda vida. E também a ele, que pelas mãos de muito de vocês, me colocou à frente do Executivo. Não vai ser fácil, sabemos, porque tem sempre alguém picareta, vagabundo, querendo atrapalhar o trabalho daqueles que produzem. Se Jesus teve um traidor, temos um vagabundo inquirindo pessoas de bem no nosso país. É um crime o que vem acontecendo com essa CPI", afirmou Bolsonaro, que foi aplaudido pela plateia presente no evento.

"Um recado que eu tenho para esse indivíduo [Renan Calheiros]. Se quer fazer um show querendo me derrubar, não fará. Somente Deus me tira daquela cadeira", desafiou o presidente.

A sessão da CPI da Covid nesta quarta-feira (12) teve discussão entre os senadores Flávio Bolsonaro e o relator Renan Calheiros. Em discurso, o filho do presidente reagiu ao pedido de prisão de Calheiros contra ex-secretário Especial de Comunicação Social da Presidência da República, Fabio Wajngarten, que era ouvido na comissão, e ofendeu o senador alagoano.

"Há claramente senadores que querem usar a CPI de palanque. Imagina a situação, um cidadão honesto ser preso por um vagabundo como o senador Renan Calheiros", afirmou, ao elogiar a posição do presidente da CPI, Omar Aziz (PSD-AM), de negar o pedido de prisão de Wanjgarten.

"Vagabundo é você que roubou dinheiro do pessoal do seu gabinete", respondeu Renan Calheiros. Com a discussão, a sessão foi suspensa pelo presidente da CPI, Omar Aziz, sendo retomada posteriormente.

O evento desta quinta-feira no Nordeste contou com a presença de diversas autoridades do país ligadas ao Alagoas, como o presidente da Câmara Arthur Lira (PP) e o senador e ex-presidente da República Fernando Collor de Mello (PROS). O governador do estado, Renan Filho (MDB), não esteve presente. Ele é filho de Calheiros.

Na sequência, Bolsonaro participou da entrega do complexo viário em Maceió. A ligação urbana é a maior obra de mobilidade de Alagoas, conforme o governo federal. Foram investidos R$ 77 milhões em recursos.

Mais tarde, o presidente completa o conjunto de eventos no estado com a inauguração do Canal do Sertão Alagoano, no município São João da Tapera (AL).

Orçamento secreto

Durante seu discurso, Arthur Lira defendeu o governo federal e a Câmara negando que tenha havido um orçamento secreto com emendas parlamentares direcionadas a congressistas que apoiam o governo.

"E quando somos atacados por repórteres que não querem enxergar a realidade de que o dinheiro não é do Executivo, Judiciário e Legislativo o dinheiro é do povo, do orçamento público, e lá estamos brigando numa selva de 513 deputados para cada um puxar um pouquinho para o seu estado.

"O nosso papel é fazer lei justas e melhorar a vida da população com emendas nem secretas nem paralelas. A Câmara não se curvará à chantagem de que o presidente troca votos por emendas", complementou.

Conforme reportagem do jornal O Estado de S.Paulo, o governo teria montado esquema para conquistar apoio por meio de um orçamento paralelo de R$ 3 bilhões. Embora o Orçamento seja votado pelo Congresso, a operação para alavancar a base de apoio no Legislativo com distribuição de emendas teria sido foi sigilosa.

A apoiadores, nesta quarta-feira (12), Bolsonaro rechaçou a denúncia. "Inventaram que eu tenho um orçamento secreto agora. Tenho um reservatório de leite condensado, três milhões de latas. Eles não têm o que falar. Como um orçamento foi aprovado, discutido por meses e agora apareceu R$ 3 bilhões? Só os canalhas do Estado de S. Paulo para escrever isso aí", afirmou o presidente em frente ao Palácio da Alvorada.

Últimas