Brasil Bolsonaro retira dreno colocado no abdome após quatro dias

Bolsonaro retira dreno colocado no abdome após quatro dias

Exames apontaram melhora do presidente, que está afebril e sem dor, segundo informações do boletim médico divulgado nesta sexta-feira (8)

Bolsonaro

Visitas a Bolsonaro permanecem restritas

Visitas a Bolsonaro permanecem restritas

Reprodução/Twitter - 08.02.2019

O presidente Jair Bolsonaro segue internado na unidade semi-intensiva do Hospital Albert Einstein. Ele apresentou boa evolução clínica nas últimas 24 horas e teve o dreno colocado no seu abdome retirado após quatro dias.

Bolsonaro também teve a sonda nasogástrica removida. "Com a melhora do quadro intestinal e boa aceitação da dieta líquida, a sonda nasogástrica foi retirada", afirma o boletim médico divulgado nesta sexta-feira (8).

De acordo com o documento, o quadro de saúde de Bolsonaro é estável e o presidente está afebril e sem dor. Os exames laboratoriais também apontaram para uma melhora na saúde de Bolsonaro.

Bolsonaro também recebe antibióticos e os médios mantém medidas para prevenir uma trombose venosa. O boletim aponta ainda para a manutenção dos exercícios respiratórios, de fortalecimento muscular e períodos de caminhada fora do quarto.

Pela manhã, a assessoria de imprensa do Palácio do Planalto informou que o presidente dormiu bem, passou a noite sem febre e voltou a comer.

Por ordem médica, as visitas ao presidente permanecem restritas.

Confira a íntegra do boletim:

"São Paulo, 8 de fevereiro de 2019.

O excelentíssimo Presidente da República, Jair Bolsonaro, permanece internado na Unidade Semi-Intensiva do Hospital Israelita Albert Einstein. Apresentou boa evolução clínica nas últimas 24 horas, continua estável, afebril e sem dor. Não tem disfunções orgânicas e houve melhora dos exames laboratoriais. O dreno colocado no seu abdome, há quatro dias, foi retirado hoje pela equipe da radiologia intervencionista.

Devido à melhora do quadro intestinal e boa aceitação da dieta líquida, a sonda nasogástrica foi retirada. Permanece com os antibióticos e nutrição parenteral. Estão sendo mantidas as medidas de prevenção de trombose venosa, sendo realizados exercícios respiratórios, de fortalecimento muscular e períodos de caminhada fora do quarto.

Por ordem médica, as visitas permanecem restritas.

Dr. Antônio Luiz Macedo, cirurgião
Dr. Leandro Echenique, clínico e cardiologista
Dr. Miguel Cendoroglo, Diretor Superintendente do Hospital Israelita Albert Einstein"