Bolsonaro: Se Congresso abrir mão de R$ 15 bi, protestos perdem força

Em fala para cerca de 300 apoiadores, presidente afirmou que os políticos devem “obedecer o povo”

Bolsonaro falou a uma plateia de apoiadores em Miami

Bolsonaro falou a uma plateia de apoiadores em Miami

Marco Bello/Reuters - 9.3.2020

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta segunda-feira (9), a uma plateia de apoiadores em Miami, que se até o dia 15 de março o Congresso desistisse da proposta de manter o controle sobre R$ 15 bilhões do Orçamento, as manifestações marcadas para aquele dia poderiam nem acontecer, ou ao menos não terem a mesma força.

Os R$ 15 bilhões do Orçamento que ficaram sob o comando do Congresso, como emendas do relator, são parte de um acordo negociado entre o Executivo e os parlamentares — com aval do presidente — para permitir a manutenção dos vetos de Bolsonaro a partes da Lei de Diretrizes Orçamentárias de 2019 que tratavam do Orçamento Impositivo e aumentavam o poder do Congresso de definir a alocação e prazos das emendas parlamentares.

Entenda o Orçamento impositivo, que divide governo e Congresso

Ao falar para cerca de 300 apoiadores, o presidente afirmou que os políticos devem “obedecer o povo” e que o que o povo quer agora é que o Parlamento “não seja dono de R$ 15 bilhões”.

Grupos de apoio ao presidente convocaram as manifestações de 15 de março, alguns deles com o objetivo de protestar contra o Congresso e o Judiciário.

Em seu discurso em Miami, no entanto, o presidente ressaltou que, para ele, a manifestação do próximo domingo não é contra o Parlamento ou o Judiciário.