Brasil Bolsonaro sinaliza participação em atos no feriado de 7 de setembro

Bolsonaro sinaliza participação em atos no feriado de 7 de setembro

Presidente, que está em Manaus e entregou moradias populares, está em rota de colisão com ministros do STF e tenta reunir apoio 

  • Brasil | Do R7

Bolsonaro após o descerramento da placa de inauguração do residencial

Bolsonaro após o descerramento da placa de inauguração do residencial

Divulgação/TV Brasil - 18.08.2021

Um dia após a notícia do cancelamento do desfile militar de 7 de setembro ser divulgada, o presidente Jair Bolsonaro sinalizou que participará de eventuais atos em favor do seu governo no Dia da Independência. 

"Me perguntaram onde estarei no dia 7 de setembro. Estarei onde o povo estiver", disse o chefe do executivo federal, nesta quarta-feira (18), durante entrega de moradias populares em Manaus (AM).

Ontem, o ministro da Defesa, Braga Netto, afirmou que estão suspensos, por ordem do presidente, os tradicionais desfiles do feriado. A razão é a pandemia de covid-19.

"Com relação a 7 de setembro, eu até pedi para passar a orientação, uma nota que eu passei para os comandantes (das Forças Armadas). A determinação, inclusive, foi do próprio presidente da República”, afirmou o ministro da Defesa durante audiência conjunta de três comissões da Câmara dos Deputados.

A declaração ocorre em meio à polêmica em torno de protestos que estão sendo organizados por simpatizantes e opositores de Bolsonaro no mesmo dia, na avenida Paulista, em São Paulo. Decisão judicial veda o uso da via para atos de grupos ideologicamente opostos com o objetivo de evitar confrontos.

Também ontem, a Polícia Civil do Distrito Federal abriu um inquérito para apurar ameaças a ministros do STF (Supremo Tribunal Federal) feitas pelo cantor Sergio Reis e outras pessoas em áudios que circularam nas redes sociais no último fim de semana.

Nas gravações, Sergio Reis diz que os caminhoneiros vão parar o país em setembro se o Senado não retirar alguns dos ministros do STF. "Se em 30 dias não tirarem aqueles caras nós vamos invadir, quebrar tudo e tirar os caras na marra. Pronto. É assim que vai ser. E a coisa tá séria”, declara o artista.

Em um vídeo, Sergio Reis, ao lado de supostos caminhoneiros, reforça as ameaças:  "Vocês [senadores] têm 72 horas para aprovar o voto impresso e tirar todos os ministros do Supremo Tribunal Federal. Não é um pedido, é uma ordem. É assim que eu vou falar com o presidente do Senado. Isso é uma ordem."

Bolsonaro está em rota de colisão com ministros do STF e o presidente da corte, ministro Luiz Fux, se reúne com o chefe do Senado, Rodrigo Pacheco o (DEM-MG), e o ministro da Casa Civil, Ciro Nogueira, recém-empossado, hoje, para discutir a crise entre os poderes da República.

Os encontros ocorrem em meio à crise institucional entre os Poderes Executivo e Judiciário. Bolsonaro informou que levará ao Senado um pedido de abertura de processo contra os ministros Alexandre de Moraes e Luís Roberto Barroso, que também preside o TSE (Tribunal Superior Eleitoral).

Apartamentos populares

Ao lado dos ministros Gilson Machado (Turismo) e Rogério Marinho (Desenvolvimento  Regional); do presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães; do prefeito de Manaus, Davi Antônio de Almeida (Avante); e do governador do estado, Wilson Lima (PSC), Bolsonaro fez a entrega de 500 apartamentos populares no Residencial Cidadão Manauara II, por meio do programa Casa Verde Amarela, que substituiu o Minha Casa, Minha Vida.

Segundo o governo federal, duas mil pessoas serão beneficiadas nesta terceira etapa do residencial manauara – as duas primeiras foram finalizadas e entregues às famílias. O investimento total foi de R$ 41 milhões.

Últimas