Bolsonaro sobre Amazônia: 'Vamos ganhar a guerra da informação'

Segundo o presidente, alguns países tentam criar um ambiente negativo com o objetivo de que o Brasil perca a soberania nessa área

Bolsonaro diz que país ganhará guerra da informação em favor da Amazônia

Bolsonaro se indispôs com Alemanha e Noruega

Bolsonaro se indispôs com Alemanha e Noruega

Carolina Antunes/PR - 15.8.2019

Em discurso realizado em solenidade na Academia Militar das Agulhas Negras (Aman), em Resende, no Rio de Janeiro, de entrega de Espadins a 411 cadetes do 1º ano, o presidente Jair Bolsonaro disse que o Brasil tem um compromisso "com esse rico e sagrado pedaço de terra" que é a Amazônia e criticou todos aqueles que tentam tirar a soberania dessa região. Nos últimos dias, o mandatário recebeu críticas da comunidade internacional sobre sua política ambiental e sobre os dados sobre desmatamento, que culminaram com a demissão do diretor do Inpe Ricardo Galvão e com a suspensão de repasses de recursos da Alemanha e Noruega para o Fundo Amazônia.

"Nós temos um compromisso com esse pedaço de terra, mais rico e sagrado do mundo (Amazônia)", disse o presidente em seu discurso. Segundo ele, alguns países - sem citar nominalmente a Alemanha e a Noruega - estão tentando ganhar a guerra da informação, a fim de que o Brasil perca a soberania sobre essa área. "Mas vamos ganhar essa guerra da informação", emendou, destacando que não há honra, gratidão ou satisfação maior do que "nossa missão cumprida".

Antes de fazer a defesa da Amazônia em discurso na Aman, o presidente publicou neste sábado, em sua conta pessoal no Twitter, um vídeo com críticas feitas pelo falecido deputado federal e ex-postulante à Presidência da República Enéas Carneiro, sobre a atuação de outros países em, relação a essa região. "Nos últimos 22 anos (1995 a 2016) o Brasil foi saqueado e transformado num anão em suas relações internacionais. Enéas Carneiro, Sargento do Exército e Médico, nos dá a certeza da urgência de nos preocuparmos com a rica e cobiçada Amazônia", disse Bolsonaro em seu post.

No breve pronunciamento na cerimônia ocorrida em Resende, no Rio de Janeiro, o presidente voltou a falar no processo sucessório na Argentina, onde o atual presidente e aliado, Mauricio Macri, perdeu as primárias para a chapa de oposição, liderada por Alberto Fernández e que tem a ex-presidente Cristina Kirchner como vice, e pode não ser reeleito no pleito de 27 de outubro. "Pedimos a Deus que a Argentina saiba proceder através do povo para não retroceder", destacou.

Entre as autoridades presentes ao evento da manhã deste sábado na Aman, em Resende, estavam o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM), do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli, a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, e os governadores do Rio, Wilson Witzel (PSC), de São Paulo, João Dória (PSDB), e de Goiás, Ronaldo Caiado (DEM).