Brasil Bolsonaro sobre Mourão: 'Vice não apita nada, mas atrapalha muito’

Bolsonaro sobre Mourão: 'Vice não apita nada, mas atrapalha muito’

Candidato à Presidência pelo PSL, também disse em entrevista nesta tarde que não aceita "resultado diferente da minha eleição" 

'Vice não apita nada, mas atrapalha muito’, diz Bolsonaro

'Vice não apita nada, mas atrapalha muito’, diz Bolsonaro

Reprodução

Em entrevista exibida na tarde desta sexta-feira (28), o candidato à Presidência da República Jair Bolsonaro condenou as declarações do vice da chapa, Coronel Mourão, sobre o fim do 13º salário e outros direitos trabalhistas.

— Falei sim, para ele ficar quieto, que afinal de contas, está atrapalhando realmente. Um vice não apita nada, mas atrapalha muito.
Bolsonaro ainda complementou falando que disse para Mourão não se manifestar mais em entrevistas.

— Daqui para frente, general, com todo respeito, o senhor não fala mais nada.

Ainda sobre comentários polêmicos de seus aliados, o candidato disse que a opinião do economista da campanha, Paulo Guedes, sobre a criação de um imposto similar à CPMF “saiu da boca dele meio que sem querer”.

O presidenciável também disse não aceitar perder as eleições deste ano.

— Não aceito resultado diferente da minha eleição.

Bolsonaro, que está internado desde o dia 7 de setembro no Hospital Albert Einstein após sofrer uma facada, conversou com o apresentador José Luiz Datena, do programa Brasil Urgente, da Band TV.

Facada

Sobre a agressão que sofreu, o candidato do PSL disse que está vivo “por um milagre”, porque foi atingido por uma “facada profissional”.

Bolsonaro disse que não deve sair de casa até o dia 10 de outubro, por causa das recomendações médicas. Ele também disse que durante esse tempo deve continuar a campanha nas redes sociais.

O candidato garantiu que vai participar dos debates caso esteja no segundo turno. Bolsonaro explicou que quando voltar às ruas, fará isso com mais seguranças, já que um abraço de fã pode fazer com que o estado de saúde dele regrida. 

Denúncias ex-mulher

Em relação à denúncia publicada pela Revista Veja, que divulgou que a ex-mulher de Bolsonaro, Ana Cristina Siqueira Valle, o acusou e processou por ter furtado um cofre e por ter declarado à Justiça Eleitoral uma renda inferior que recebia, ele disse se tratar de acusações comuns de um casal em processo de separação.

— Uma separação é comum ter problemas, é litigiosa e cotoveladas acontecem de todas as partes.

Golpe militar

Questionado sobre golpe militar, o candidato disse que não acredita na possibilidade. Ele, no entanto, disse que se o PT vier ganhar e cometer uma “falta”, os militares teriam legitimidade para agir.

Novamente, Bolsonaro chamou Haddad de “poste de Lula”. Ele ainda disse que se o candidato do PT ganhar, ele vai dar um indulto ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

— Está na cara que se Haddad ganhar a eleição, Lula será o ministro da Casa Civil ou da Defesa. 

Voto impresso

Para o candidato, o PT só ganha se existir uma fraude eleitoral.

— Em 2015, eu aprovei o voto impresso, mas o Supremo derrubou. Não temos como auditar o resultado disso. A suspeição vai estar no ar. Se você ver como eu sou tratado na rua e como os outros são tratados, você não vai acreditar.

No final da entrevista, candidato se mostrou otimista e disse que “não haverá um segundo turno”.