Brasil Bolsonaro viaja a Brasília para reuniões da transição de governo

Bolsonaro viaja a Brasília para reuniões da transição de governo

Equipe do presidente eleito será liderada por Onyx Lorenzoni, nomeado ministro extraordinário nesta segunda-feira (5)

Transição de governo

Bolsonaro foi eleito no dia 28 de outubro deste ano

Bolsonaro foi eleito no dia 28 de outubro deste ano

Reprodução/ RecordTV - 06.11.2018

O presidente eleito, Jair Bolsonaro, viaja para Brasília na manhã desta terça-feira (6) para começar a acertar os detalhes do governo de transição com o atual presidente, Michel Temer. A decolagem aconteceu por volta das 7h10. 

Bolsonaro viaja para a capital do Brasil em uma aeronave da FAB (Força Aérea Brasileira), saindo do aeroporto de Galeão, no Rio de Janeiro. A expectativa é de que o presidente eleito chegue por volta das 9h.

Às 10h, o presidente eleito participará de uma sessão solene que homenageia os 30 anos da Constituição Federal no Congresso Nacional. 

Acompanhado de seus assessores e participantes do governo de transição, Bolsonaro deve ficar hospedado em seu apartamento funcional, que tem direito pelo cargo de deputado federal. 

Na madrugada de segunda-feira (5), Bolsonaro publicou no Twitter que a equipe de transição receberá "números e informações" importantes para o trabalho do futuro governo. 

"Esta semana damos mais um grande passo com o início do funcionamento do grupo de transição de governo, absorvendo informações para restruturação do Brasil. Em Brasília, teremos acessos iniciais a números e informações que serão passadas aos brasileiros!", disse. 

Na noite de segunda, Bolsonaro anunciou 27 nomes que participarão do governo de transição. A equipe do presidente eleito é liderada pelo futuro ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, que conversa com o atual líder da pasta, Eliseu Padilha, nome indicado por Temer para exercer a função. A primeira reunião entre Bolsonaro e Temer para discutir a transição está marcada para acontecer na terça, no Palácio do Planalto. Na segunda, Lorenzoni foi nomeado ministro extraordinário.