Brasil Brasil deve permanecer no Acordo de Paris, diz futuro ministro

Brasil deve permanecer no Acordo de Paris, diz futuro ministro

Ricardo Salles assumirá a pasta do Meio Ambiente e defende que haja respeito pela autonomia do país para estabelecer suas políticas ambientais

Meio Ambiente

Salles diz que mundo precisa respeitar autonomia dos países

Salles diz que mundo precisa respeitar autonomia dos países

Divulgação

O futuro ministro do Meio Ambiente no governo do presidente eleito Jair Bolsonaro, Ricardo Salles, disse à Reuters que o Brasil deve permanecer no Acordo de Paris sobre as mudanças climáticas, mas que o mundo também precisa respeitar a autonomia do país para estabelecer suas políticas ambientais.

Durante a campanha eleitoral, Bolsonaro disse que poderia retirar o Brasil do Acordo de Paris, que estabelece metas de para os países signatários de redução da emissão de gases causadores do efeito estufa.

O presidente eleito, no entanto, tem feito declarações contraditórias sobre suas intenções desde eleito, dizendo que o país pode permanecer no acordo para o clima se forem cumpridas certas condições.

"A minha tendência... é dizer que nós não devemos deixar o acordo", disse Salles, que foi indicado no domingo por Bolsonaro para assumir o Ministério do Meio Ambiente no próximo governo, em entrevista na segunda-feira.

"Mas, por outro lado, isso também não significa que nós devemos aceitar toda e qualquer sanção, restrição e programa de maneira indiscutível. Todos os países têm que respeitar a autonomia brasileira para gerir seu território e decidir suas políticas do meio ambiente internamente”, acrescentou.

O Brasil assumiu o compromisso de cortar as emissões em 37% até 2025 e em 43% até 2030 como parte do Acordo de Paris, apesar de ainda não ter apresentado um plano completo sobre como atingir essas metas.