Brasil Brasil não precisa desmatar mais para ampliar produção, afirma presidente da Sociedade Rural Brasileira

Brasil não precisa desmatar mais para ampliar produção, afirma presidente da Sociedade Rural Brasileira

Em meio ao aumento do desmatamento na Amazônia, Marcelo Vieira defende política ambiental do governo Bolsonaro e refuta responsabilidade do agronegócio

Queimadas

 Imagem aérea do último dia 22 mostra trator em uma plantação ao lado de floresta perto de Porto Velho (RO); presidente da SRB não vê contradição entre preservar e aumentar produção

Imagem aérea do último dia 22 mostra trator em uma plantação ao lado de floresta perto de Porto Velho (RO); presidente da SRB não vê contradição entre preservar e aumentar produção

REUTERS/Ueslei Marcelino/ BBC NEWS BRASIL

Enquanto o presidente Jair Bolsonaro diz que uma "psicose ambiental" ameaça o agronegócio brasileiro, o presidente da Sociedade Rural Brasileira (SRB), Marcelo Vieira, não vê contradição entre preservar as florestas e aumentar a produção agropecuária no país.

Em entrevista à BBC News Brasil, no entanto, ele evitou fazer críticas ao governo e elogia a atuação do ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles.

"A área atualmente ocupada pela agropecuária é de 30% do território brasileiro apenas, mas com os ganhos de produtividade que vêm ocorrendo, nós temos condição de produzir mais que o dobro do que nós produzimos hoje na mesma área. Então, a agropecuária brasileira não precisa expandir (a área utilizada)", afirmou.

Nos últimos dias, a destruição da Floresta Amazônica ganhou repercussão internacional por causa da forte onda de queimadas na região. Dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), mostram um aumento de 83% no número de incêndios florestais no Brasil entre 1º de janeiro e 19 de agosto de 2019, na comparação com igual período de 2018.

A piora da preservação e a retórica mais inflamada de Bolsonaro e Salles têm levado algumas lideranças do agronegócio, como o ex-ministro da Agricultura Blairo Maggi, a manifestar preocupação com possíveis retaliações internacionais às exportações brasileiras.

À BBC News Brasil, Marcelo Vieira minimizou o problema dizendo que as queimadas são normais nessa época do ano, estação de seca na Amazônia. Ele também refutou denúncias de ambientalistas de que o fogo esteja sendo usado por pecuaristas para "limpar" terreno desmatado para pasto.

Em entrevista à BBC News Brasil, Vieira elogiou a atuação do ministro Ricardo Salles

Em entrevista à BBC News Brasil, Vieira elogiou a atuação do ministro Ricardo Salles

BBC NEWS BRASIL

"O ministro do Meio Ambiente está muito preocupado e está trabalhando para montar uma melhor estrutura de controle do desmatamento ilegal. Isso leva um bom tempo para trazer resultados substanciais", defendeu.

Vieira atua há cerca de 40 anos como produtor e administrador de empresas nos setores de café, açúcar e álcool. Entre 2005 e 2014, foi diretor no Brasil da Adecoagro, empresa do megainvestidor americano George Soros que adquiriu usinas de Vieira em Minas Gerais e Mato Grosso do Sul.

Confira os principais trechos da entrevista.

BBC News Brasil O agronegócio está preocupado com o aumento do desmatamento e as queimadas recentes que ganharam visibilidade internacional?

Marcelo Vieira – São questões diferentes. A questão da queimada é uma ocorrência que acontece praticamente todos os anos nessa estação seca no Brasil e é sempre um grande problema na agricultura brasileira, que prejudica muito todos os proprietários, e muitas vezes ocorre em áreas de preservação também.

Isso tem muito a ver com o clima da estação seca. E o que o Brasil precisa é de uma maior estrutura de controle, mais bombeiros atuando no campo nessa época.

Quanto ao desmatamento, esta é uma questão complexa, porque, o que nós temos visto é que tem tido uma variação (dos indicadores de desmatamento), dependendo das análises. Essa semana, por exemplo, recebemos números do Imazon (instituto de pesquisa que monitora a floresta amazônica) de que o desmatamento nos últimos 12 meses cresceu 15% em relação aos 12 meses anteriores.

Então, isso é uma variação que ocorre todo ano, pouco mais ou um pouco menos.

O que o Brasil precisa, e nosso ministro Ricardo Salles, está trabalhando nisso, é uma melhor estrutura de controle do desmatamento. É buscar combater com mais eficiência o desmatamento ilegal, que é 80%, 90% do desmatamento que ocorre no Brasil, com madeireiros ilegais, grileiros, que nunca houve uma estrutura muito eficaz de controle (contra isso).

BBC News Brasil Os números contrariam um pouco o que o senhor está falando. Houve uma redução drástica (de mais de 80%) do desmatamento de 2004 a 2012 e ele vem crescendo desde então. Além disso, o país tem uma meta de desmatamento zero dentro do Acordo de Paris. Então, crescer 15% o desmatamento no ano não parece uma situação normal.

Vieira – Não, o que temos visto de 2014 para cá é que todo ano (o desmatamento) cresce um pouco ou diminui um pouco. São oscilações. E alguns números que vimos esse ano indicam que estamos dentro de uma oscilação normal.

Mas, realmente, é uma coisa preocupante, o ministro do Meio Ambiente está muito preocupado com isso e ele está trabalhando para montar uma melhor estrutura de controle do desmatamento ilegal. Nós precisamos reduzir isso de maneira substancial e, para isso, a gente precisa criar uma estrutura que não é criada do dia para o outro.

Ele tem dito que a pauta prioritária para o Ministério do Meio Ambiente é reduzir o desmatamento ilegal e criar investimentos numa melhor infraestrutura de saneamento, que é outro problema ambiental grave no Brasil.

Fumaça na mata na região de Humaitá (AM); Vieira atribui queimadas principalmente ao 'clima seco'

Fumaça na mata na região de Humaitá (AM); Vieira atribui queimadas principalmente ao 'clima seco'

BBC NEWS BRASIL

BBC News Brasil Alguns líderes do agronegócio, como o ex-ministro da Agricultura Blairo Maggi, já manifestaram preocupação de que a postura do governo Bolsonaro gere retaliações às nossa exportações. O presidente faz ataques ao Ibama (órgão que combate o desmatamento), entra em linha direta de confronto com nações que apoiam o Fundo Amazônia. O senhor não está preocupado que isso gere retaliações internacionais contra o agronegócio brasileiro?

Vieira Não, realmente estamos preocupados, nós estamos vendo falhas na nossa comunicação. O problema maior que nós estamos vendo é que está havendo uma importante reestruturação dessa área e isso leva um bom tempo para trazer resultados substanciais. Nós não temos resultados substanciais ainda.

BBC News Brasil Ao que o senhor se refere como reestruturação dessa área que estaria ocorrendo?

Vieira – Criar uma melhor estrutura nesse controle do desmatamento. Ter mais polícia florestal no campo, mais fiscais fiscalizando essas áreas. Há áreas sem proprietários, áreas públicas que são invadidas.

É uma grave deficiência que o Brasil teve nas últimas décadas, a criação de muitas unidades de conservação, áreas de preservação, parques nacionais, áreas indígenas, sem uma estrutura adequada de gestão para garantir a segurança dessas áreas.

E aí elas são invadidas por desmatadores ilegais, que produzem madeira ilegal, prejudicam o mercado de madeira legal sustentável no Brasil, e isso precisa ser combatido de uma maneira muito eficaz.

BBC News Brasil Embora ocorram essas invasões, o que é preocupante, os números do desmatamento sempre mostram que áreas de unidades de conservação e de terras indígenas têm índice de desmatamento menor do que as áreas não protegidas. Como o senhor vê a proposta do presidente de permitir atividades produtivas dentro de áreas indígenas?

Vieira É possível que isso seja uma possibilidade, porque têm áreas indígenas que têm índios com regiões próximas à agricultura e já estão no caminho da cultura brasileira e gostariam de poder produzir também. Então, nós temos que dar a possibilidade a eles. Não a todos é claro, mas a esses índios que têm contato.

Por exemplo, temos no Mato Grosso do Sul comunidades indígenas que foram aculturadas pelas missões europeias há quatro séculos. Hoje em dia eles têm atividade basicamente agrícola e pastoril e podem ter esse direito de manejar adequadamente como precisam.

Plateia se manifesta durante fala de Salles durante evento em Salvador; Vieira destaca trabalho do ministro para conter desmatamento ilegal

Plateia se manifesta durante fala de Salles durante evento em Salvador; Vieira destaca trabalho do ministro para conter desmatamento ilegal

BBC NEWS BRASIL

BBC News Brasil O senhor disse que esse é um período normal de seca no Brasil, mas os cientistas têm falado que a umidade não está abaixo do normal na Amazônia e que os focos de queimada estão maiores. Muitos ambientalistas atribuem esse aumento a um processo de limpar as áreas desmatadas com fogo para depois serem criados pastos para pecuária. O senhor vê um papel do agronegócio nesse aumento das queimadas?

Vieira – Não, não. Não são queimadas induzidas pelo agronegócio de maneira nenhuma. São queimadas que podem ser feitas por grileiros, mas isso ocorre o ano todo, não necessariamente nessa estação, e nessa estação elas crescem por causa do clima.

BBC News Brasil E essas áreas queimadas jamais serão usadas para pecuária? Ficarão queimadas apenas?

Vieira – E geralmente entram em restauração depois. A área passando por restauração natural na Amazônia é muito maior que a área que está sendo desmatada.

BBC News Brasil Onde podemos checar esses números?

Vieira – Isso são números que me foram passados pela Embrapa, nas análises deles.

Nota da redação: Segundo os dados mais atuais do sistema TerraClass, um parceria entre Embrapa e Inpe que mede regeneração da floresta, houve um aumento de 72.713 km2 de vegetação em regeneração na Amazônia entre 2004 e 2014. Segundo o mesmo sistema, a área desmatada somou 148.535 km2 no mesmo período, ou seja, mais que o dobro da região em regeneração. No total, havia 173 mil km2 de floresta em processo de recuperação em 2014. Isso representa 23% do acumulado de de 762 mil km2 de área desmatada na Amazônia desde 1988 até aquele ano. Segundo relatório de 2017 da PUC-Rio sobre o tema, "ainda que a regeneração da Amazônia traga grandes expectativas, é importante frisar que florestas secundárias não são necessariamente equivalentes às florestas primárias em termos biológicos ou ecológicos")

BBC News Brasil O senhor vê sentido nesse discurso do presidente de que ONGs poderiam estar atrás das queimadas?

Vieira Eu prefiro não comentar isso.

BBC News Brasil Esse tipo de fala do presidente, acusando ONGs sem provas, é positiva para resolver o problema do desmatamento e para a imagem do Brasil lá fora?

Vieira – Eu prefiro não comentar as declarações do presidente.

BBC News Brasil É necessário desmatar para produzir mais, ou é possível aumentar a produção com ganhos de eficiência nas áreas já desmatadas?

Vieira Com certeza. A área atualmente ocupada pela agropecuária é de 30% do território brasileiro apenas, mas com os ganhos de produtividade que vêm ocorrendo nas últimas décadas, continuando na mesma tendência, nós temos condição de produzir mais que o dobro do que nós produzimos hoje na mesma área.

Então, a agropecuária brasileira não precisa expandir (a área utilizada) para poder crescer sua produção e poder suprir o mundo com uma demanda crescente de alimentos.

'A agropecuária brasileira não precisa expandir (a área utilizada) para poder crescer sua produção e poder suprir o mundo com uma demanda crescente de alimentos', diz Vieira

'A agropecuária brasileira não precisa expandir (a área utilizada) para poder crescer sua produção e poder suprir o mundo com uma demanda crescente de alimentos', diz Vieira

BBC NEWS BRASIL

BBC News Brasil O senhor vê no discurso do presidente Bolsonaro um antagonismo equivocado entre produção e preservação?

Vieira – Não vi isso, não. Tenho acompanhado todas as declarações do ministro do Meio Ambiente e ele está alinhado com essa pauta de que nós precisamos efetivamente implementar a nossa legislação ambiental e continuar produzindo de maneira sustentável como produz a grande maioria dos produtores brasileiros.

BBC News Brasil O senhor acha que há sensacionalismo na cobertura brasileira e internacional sobre o aumento do desmatamento?

Vieira - É uma pauta importante que deve sempre ser discutida. Em todas as as discussões importantes sempre ocorrem posicionamentos um pouco mais agressivos, mas precisamos continuar com esse debate, mostrar nossa realidade, que é muito melhor que alguns apresentam.