Brasil Brasil quer vacinação, não quer comitê de adulação, diz Doria

Brasil quer vacinação, não quer comitê de adulação, diz Doria

Segundo o governador, ele não foi convidado para o movimento que 'exclui governadores que estão trabalhando para proteger a vida'

Agência Estado
O governador João Dória (PSDB), durante entrevista

O governador João Dória (PSDB), durante entrevista

VINICIUS NUNES/AGÊNCIA F8/ESTADÃO CONTEÚDO-24/03/2021

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), criticou a criação de um comitê nacional de enfrentamento ao novo coronavírus, anunciada na manhã desta quarta-feira (24), após reunião entre os chefes dos Três Poderes nacionais e governadores alinhados ao presidente Jair Bolsonaro.

De acordo com Doria, o governo de São Paulo não foi convidado para o movimento que "exclui governadores que estão trabalhando para proteger a vida de brasileiros". O governador classificou o colegiado como "não confiável".

"O Brasil quer vacinação, o Brasil não quer comitê de adulação e disso não participo", afirmou Doria durante entrevista coletiva no Palácio dos Bandeirantes, sede do governo paulista.

"Este comitê, primeiro, não nos representa, nós não fomos convidados, e aquilo que representa a saúde, a necessidade de proteção da vida dos brasileiros de São Paulo, deve ser tratado com o governador do Estado de São Paulo, e não com o representante do governador do Estado de São Paulo", afirmou Doria sobre o governador de Minas Gerais, Romeu Zema (Novo), próximo a Bolsonaro, e que representou os Estados do Sudeste na reunião.

Pronunciamento

O governador também criticou o pronunciamento nacional realizado na noite de terça-feira (23), pelo presidente Bolsonaro. "Pra quem, como eu, e como milhões de brasileiros, assistiu aquela farsa daquele depoimento do presidente Jair Bolsonaro ontem na televisão com mentiras, inverdades e disfarçando até mesmo com uma máscara que nunca utilizou, não é confiável a realização de um comitê que exclui governadores que estão trabalhando", disse o tucano.

Em cadeia nacional de rádio e televisão nesta terça-feira, presidente prometeu vacinas a todos os brasileiros e não mencionou o "tratamento precoce" que recomendava até recentemente.

Últimas