Caça a rinocerontes cai em 2019 após forte aumento no ano passado

Morte predatória de animais na Namíbia para alimentar os mercados do leste asiático vinha diminuindo desde 2015, quando atingiu 95 bichos da espécie

Namíbia tem a segunda maior população de rinocerontes do mundo

Namíbia tem a segunda maior população de rinocerontes do mundo

REUTERS/Tom Kirkwood/21.05.2010

A caça predatória de rinocerontes na Namíbia caiu para 41 mortes em 2019 até agora, em comparação com 72 durante o mesmo período do ano passado, informou o Ministério do Meio Ambiente e Turismo no sábado.

Leia também: Nasce 1º filhote de rinoceronte raro por inseminação artificial

A Namíbia tem a segunda maior população de rinocerontes brancos do mundo, depois da África do Sul, e, de acordo com a ONG Save the Rhino, tem um terço dos rinocerontes negros remanescentes do mundo.

A caça predatória na Namíbia para alimentar principalmente os mercados do leste asiático vinha diminuindo desde 2015, quando atingiu 95 rinocerontes, caindo para 60 em 2016, 36 em 2017 e subindo para 72 novamente no ano passado -todos os números contados de janeiro a meados de dezembro.

"O público continua nos ajudando a prender os autores deste crime", disse o porta-voz do ministério Romeo Muyunda por telefone. "Também aprimoramos nossa inteligência para antecipar as atividades de caça furtiva antes que elas aconteçam".

Apesar de ser composto da mesma substância que o cabelo e as unhas, o chifre de rinoceronte é apreciado no leste da Ásia como um suposto remédio para várias doenças, e também é valorizado pelas elites empresariais por bugigangas e outros produtos devido à sua raridade.