Cartório confirma que dissidentes fraudaram publicação no diário oficial de Angola

Órgão vinculado ao Ministério da Justiça e dos Direitos Humanos do país informou que se trata de um documento “forjado e, por consequência, completamente falso”

Reproduçao

O 4º Cartório Notarial de Luanda, capital da Angola, enviou um ofício aos advogados da Igreja Universal do Reino de Deus no país africano, informando que a ata publicada no diário oficial angolano, em nome da Universal, “não foi elaborada” naquela repartição pública, “presumindo-se, desde logo, tratar-se de um ato notarial forjado e, por consequência, completamente falso”.

Há alguns dias, o grupo de ex-pastores expulsos da Universal por desvios morais e crimes, conseguiu publicar esse documento sobre uma suposta “assembleia geral”, com o objetivo de encerrar “o serviço eclesiástico pela Universal dos missionários brasileiros em todo o território nacional”.

Com base nessa fraude, parte da imprensa angolana e até jornalistas e sites brasileiros passaram a espalhar fake news afirmando que a o Governo de Angola havia “oficializado afastamento de brasileiros da Igreja Universal no país”.

Agora, a própria repartição pública do Ministério da Justiça e dos Direitos Humanos de Angola desmente o boato, reafirmando que não foi a responsável pela tal publicação.

A Universal reafirma sua confiança na Justiça e nas autoridades angolanas, e espera que os responsáveis pelos violentos ataques xenófobos sejam rapidamente punidos.

Leia a íntegra do ofício enviado pelo 4º Cartório Notarial de Luanda:

Reprodução