Caso Rafael: mãe de menino será indiciada por homicídio doloso no RS

Segundo a polícia, em novo depoimento Alexandra Dougokeski admitiu ter usado uma corda para matar o filho, porque o garoto passou a noite em claro, mexendo no celular 

Rafael Winques e a mãe Alexandra

Rafael Winques e a mãe Alexandra

Reprodução/Record TV

A mãe do menino Rafael Winques, de 11  anos, deve ser indiciada por homicídio doloso, ou seja, com intenção de matar. No último depoimento à polícia, ela mudou a versão e admitiu ter matado o garoto por asfixia.

Alexandra Dougokeski, de 33 anos, está presa na penitenciária feminina de Guaíba, na região metropolitana de Porto Alegre, desde o fim de maio. Em novo depoimento à polícia, ela confessou ter usado uma corda para matar o filho, porque o garoto passou a noite em claro, mexendo no celular.

Leia também: Caso Rafael: mãe afirma que usou a corda para transportar o corpo

"Por volta das duas horas da manhã, ela acordou e ele ainda estava acordado”, relatou o delegado Eibert Moreira. “Naquele momento ela perdeu o controle da situação e resolveu de fato estrangular ele. Porque ele estava de forma reiterada desobedecendo as ordens que ele estava dando."

O crime ocorreu em 15 de maio, na pequena cidade de pPlanalto, no norte gaúcho. O corpo do menino foi escondido numa caixa de papelão na garagem do vizinho. Depois de 10 dias, Alexandra assumiu o crime.

Até então, Alexandra alegava que não tinha a intenção de matar o filho. Disse ter dado calmantes para ele dormir, e que a superdosagem da medicação, teria provocado a morte acidental do garoto. Com a mudança de versão, a mãe deve ser indiciada por homicídio doloso, que é quando há a intenção de matar.

O advogado de defesa Jean Severo abandonou o caso ainda durante o depoimento. Ele afirma que Alexandra foi coagida pela polícia a mudar de versão.

"Levaram a Alexandra pra uma sala reservada e ela voltou daquele local com uma versão um pouco diferente", disse Severo

A polícia diz que todo o depoimento foi gravado e que em nenhum momento houve coação. A defesa de Alexandra será feita, agora, pela Defensoria Pública do estado.