Ciro critica Haddad por causa da PEC do teto de gastos

Para presidenciável do PDT, candidatos ao Planalto precisam "criar ambiente" para revogar o teto de gastos, sob risco de promessas não serem cumpridas

Ciro esteve hoje na SBPC

Ciro esteve hoje na SBPC

Nacho Doce/Reuters - 18.09.2018

O candidato do PDT à Presidência, Ciro Gomes, reiterou nesta terça-feira (18) a promessa de revogar a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 95, também conhecida como PEC do Teto de Gastos, e aproveitou para criticar seu adversário, Fernando Haddad (PT).

"Fiquei muito constrangido ontem com o Haddad, que anunciou que vai manter a PEC 95 e excluir só o investimento. Só que, no código de contabilidade brasileiro, o financiamento em Pesquisa e Desenvolvimento não é investimento, é custeio", exemplificou o candidato do PDT. "Aí vem dizer que a prioridade é C&T (ciência e tecnologia), que o PT é o rei do abacaterol, não é não, é mentira."

Ciro, que se reuniu com a SBPC (Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência) nesta terça-feira, reclamou ainda de, na sua opinião, ter ficado com o ônus de defender os avanços da pauta conservadora, enquanto Haddad começa a fazer um novo aceno à centro-direita. "Aí fico eu sozinho pagando o desgaste de ter que reclamar contra militar, de reclamar contra banqueiro e, nas minhas costas, aproveitando que eu sou progressista, eles tentam me obrigar a engolir essas coisas? Isso não vai acontecer mais".

Segundo ele, os candidatos precisam criar um ambiente para revogar a regra do teto. Caso contrário, não será possível cumprir com as promessas feitas pelos presidenciáveis em suas campanhas. "A tarefa não pode ser só minha. Ou a gente cria um ambiente para revogar a PEC 95 ou todos os programas, meus e de meus adversários, são mentira."

Segundo a Coluna do Estadão, Haddad se movimenta para acenar ao eleitorado do PSDB nessa reta final do primeiro turno. Ele próprio tocou no assunto na segunda-feira. "Tem muitas pessoas que apoiaram o golpe e estão revendo sua posição. O próprio PSDB já fez uma autocrítica. Isso constrói possibilidades de diálogo", disse Haddad na segunda, se referindo à entrevista de Tasso Jereissati ao jornal O Estado de S. Paulo na semana passada.

"A Katia me completa", avalia ciro

"A Katia me completa", avalia ciro

Divulgação

Ciro chama CNA de 'fascista' e defende Katia Abreu

Ciro defendeu hoje a escolha de Katia Abreu (PDT-TO) como sua vice e atacou a CNA (Confederação Nacional da Agricultura), entidade que a senadora já presidiu. Segundo o pedetista, a CNA virou hoje um grupo de fascistas e apoiadores de Jair Bolsonaro, candidato do PSL, à Presidência.

O presidenciável argumentou que a escolha de Katia Abreu complementa a sua candidatura, que precisa olhar para além do eleitorado e os parlamentares progressistas num eventual governo. "Como acham que vou conseguir revogar a PEC 95? Preciso de 308 votos em quatro votações. Estou preparado para ceder em algumas coisas. A Katia me completa", defendeu.

Ciro disse ainda que a própria Katia viveu um descolamento em relação aos grupos mais conservadores que representava e deu como exemplo a CNA. "Hoje a Katia Abreu é persona non grata (na entidade). E eles são tudo Bolsonaro, tudo doente, tudo fascista", disse o ex-governador do Ceará, ressaltando que o convite dos ruralistas foi o único que recusou nesta campanha. O presidenciável criticou ainda os que pensam que é possível fazer política sem abrir espaço para o contraditório.

Segundo Ciro, o candidato do PT e seu adversário, Fernando Haddad, teria o mesmo problema. "Haddad é um baita de um cara, bonitão, um FHC redivivo, e acabou de entregar São Paulo para Doria no primeiro turno."

O pedetista, no entanto, disse que tal comportamento não "desqualifica a pessoa". "Se a gente quer mexer no destino da pátria, eu tenho que me preparar para, ganhando a eleição, governar o País."