Operação Lava Jato
Brasil Colegas de Moro defendem independência do ministro Teori

Colegas de Moro defendem independência do ministro Teori

Associação de Juízes Federais diz que Teori deve trabalhar com tranquilidade, assim como Moro 

Teori foi ameaçado após sua determinação sobre o juiz Moro

Teori foi ameaçado após sua determinação sobre o juiz Moro

Nelson Jr./25.11.2015/STF

Os colegas do juiz federal Sérgio Moro saíram em defesa nesta quinta-feira (24) do ministro Teori Zavascki, do STF (Supremo Tribunal Federal). Em nota pública, a Ajufe (Associação dos Juízes Federais) destaca que, "da mesma forma que defende a independência de Moro, também se posiciona pela defesa da independência do ministro Teori Zavascki".

A entidade repudiou as "ameaças e intimidações" que o ministro vem sofrendo desde que tirou das mãos do juiz da Lava Jato a investigação sobre o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

"Uma Justiça sem temor é direito de todo cidadão brasileiro e a essência do Estado Democrático de Direito", assinala a nota, subscrita pelo juiz federal Antônio César Bochenek, presidente da Associação dos Juízes Federais.

Na terça-feira (22), Teori determinou a Sérgio Moro que remetesse a ele os autos da investigação que cita Lula — alvo da Operação Aletheia, que faz parte da Lava Jato.

Essa investigação mira o sítio Santa Bárbara, localizado no município de Atibaia (SP), que seria do ex-presidente, o que é negado veementemente por sua defesa. Também estão sob investigação o Instituto Lula e a LILS Palestras e Eventos, que pertence a Lula e seu sócio, Paulo Okamotto.

"A propósito dos ataques e críticas feitas ao ministro do Teori Zavascki em razão da decisão proferida na Medida Cautelar da Reclamação número 23.457, a Ajufe reafirma que a construção de uma sociedade livre, justa e solidária exige um Poder Judiciário forte e independente", diz a nota pública dos juízes federais.

"Isso somente será possível se for assegurada aos juízes a liberdade para decidir conforme seus entendimentos, devidamente motivados no ordenamento jurídico", finaliza o texto.