Operação Lava Jato
Brasil Comissão da Câmara aprova novo parecer e recomenda rejeição de denúncia contra Temer

Comissão da Câmara aprova novo parecer e recomenda rejeição de denúncia contra Temer

Com a aprovação, relatório do deputado Paulo Abi-Ackel segue para a análise do plenário

Comissão da Câmara aprova novo parecer e recomenda rejeição de denúncia contra Temer

Parecer aprovado diz que a denúncia contra Temer é "uma ficção"

Parecer aprovado diz que a denúncia contra Temer é "uma ficção"

Adriano Machado/Reuters

A CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) da Câmara aprovou, por 41 votos a 24 — e uma abstenção —, o relatório apresentado nesta quinta-feira (13) pelo deputado Paulo Abi-Ackel (PSDB-MG). Com isso, o parecer que recomenda a rejeição da denúncia contra o presidente Michel Temer segue para a análise do plenário da Casa.

Mais cedo, o parecer favorável à denúncia apresentado pelo deputado Sergio Zveiter (PMDB-RJ) foi rejeitado pelo colegiado por 40 votos contra e 25 (e uma abstenção). Abi-Ackel foi escolhido como novo relator do caso. 

Em seu relatório, Abi-Ackel afirma que a denúncia apresentada pela PGR (Procuradoria-Geral da República) contra o presidente é "uma ficção", pois "não é capaz de responder questões fundamentais".

— O presidente recebeu R$ 500 mil? Onde? Como? No Brasil ou no exterior? Nenhuma resposta há sobre qualquer uma dessas indagações.

O relator também questionou o áudio da conversa gravada entre o presidente e o dono da JBS, Joesley Batista. Segundo o tucano, peritos que analisaram a gravação apontaram para edições no teor do áudio, o que o rejeitaria como prova.

Para barrar denúncia na Câmara, Temer deve redistribuir cargos do PSDB para o Centrão

Com a aprovação, o relatório de Abi-Ackel segue para o plenário da Câmara, onde são necessários os votos de dois terços (342) dos deputados para que a denúncia enviada para a análise do STF (Supremo Tribunal Federal).

Caso a Câmara e a Suprema Corte aceitem a denúncia, o peemedebista será afastado do Planalto por um período de até 180 dias, sendo substituído pelo presidente da Câmara, deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ).