Conab inicia hoje leilão para compra de itens de cestas básicas

Governo vai comprar 7 mil toneladas de alimentos que serão destinados a grupos vulneráveis e reservas indígenas. Custo estimado é de R$ 40 milhões

Famílias vulneráveis e indígenas vão receber cestas básicas do governo

Famílias vulneráveis e indígenas vão receber cestas básicas do governo

Reprodução / Fernando Frazão Agência Brasil

A Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) fará, nesta quinta-feira (16), um leilão em que comprará 7 mil toneladas de alimentos. Os produtos serão destinados às cestas básicas anunciadas no último dia 3 pela Casa Civil.

Segundo o ministro-chefe da Casa Civil, Braga Netto, serão utilizados, ao todo, R$ 40 milhões, em recursos transferidos do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, para atender a grupos vulneráveis e reservas indígenas.

Leia mais: Mortes por covid-19 no Brasil chegam a 1.736; casos somam 28.320

No dia do anúncio, Braga Netto disse que o objetivo é garantir a segurança alimentar dessas populações durante a pandemia de covid-19, e que a expectativa é contemplar 161 mil comunidades em 25 estados.

Em nota, a Conab informou ter alterado “alguns procedimentos” nos editais, de forma a “garantir uma entrega mais rápida dos produtos”. “O prazo de entrega, por exemplo, foi diminuído de 30 para até 15 dias, com a possibilidade de prorrogação por mais 10, a partir do pagamento de multa para as compras nas regiões Sul, Sudeste, Nordeste e Centro-Oeste”, diz a Conab.

Veja também: Estados e municípios podem definir medidas de isolamento, decide STF

No caso da região norte, os prazos são diferenciados devido à dificuldade logística de acesso. “Por isso, o arrematante terá até 25 dias para fazer a entrega sem multa, além do prazo extra de dez dias com a penalidade”.

A Conab acrescenta que as alterações são válidas excepcionalmente neste período de enfrentamento à pandemia do novo coronavírus e seus efeitos econômicos e sociais.

A companhia tem a expectativa de, com R$ 35,7 milhões, produzir 323.412 cestas, cada uma composta por 10 kg de arroz, 4 kg de feijão, 1 kg de leite em pó, 1 kg de macarrão, 2 kg de açúcar e 1 garrafa de óleo.

Leia ainda: Auxílio de R$ 600 começa a ser pago ao Bolsa Família nesta quinta

As famílias das regiões sul e sudeste receberão 2 kg de farinha de trigo. Já as cestas destinadas às regiões norte, nordeste e centro-oeste receberão farinha de mandioca. Os beneficiários das regiões norte e nordeste terão ainda 1 quilo de flocos de milho; ou de fubá, no caso daqueles que se encontram nas regiões sul, sudeste e centro-oeste.

Depois de montadas, as cestas serão disponibilizadas nos locais que serão indicados pelas instituições parceiras – entre elas a Fundação Nacional do Índio (Funai), Fundação Cultural Palmares, e a Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai) nos estados.

Segundo a Conab, essas instituições serão responsáveis pela entrega dos produtos nas comunidades beneficiadas, bem como pela indicação dos protocolos de segurança que devem ser adotados.