Perseguição aos brasileiros

Brasil Congressistas condenam atos de violência contra pastores brasileiros

Congressistas condenam atos de violência contra pastores brasileiros

Senadores e deputados federais se posicionaram sobre a situação de insegurança enfrentada por religiosos que atuam em Angola, na África

  • Brasil | Do R7

Igreja Universal Angola

Igreja Universal Angola

Reprodução

Senadores e deputados federais se manifestaram, neste sábado (11), sobre a situação de insegurança e violência enfrentada por pastores da Igreja Universal que atuam em Angola, na África. 

Desde o fim de junho, estão sendo registradas agressões físicas e psicológicas e perseguições contra religiosos brasileiros por parte de ex-membros, que foram expulsos da instituição.

O senador Ciro Nogueira (PP-PI) classificou a situação de violência em Angola de "inaceitável".

 Senador Ciro Nogueira (PP-PI)

Senador Ciro Nogueira (PP-PI)

Divulgação

"Tenho acompanhado com perplexidade as notícias que chegam sobre as agressões e perseguições sofridas por pastores e religiosos brasileiros integrantes da Igreja Universal, em Angola. Atos de violência são inaceitáveis em qualquer situação, mais ainda em um contexto religioso, no qual deve prevalecer a tolerância e o amor ao próximo."

O senador pelo Piauí pediu ainda que as autoridades angolanas garantam a proteção física e emocional dos brasileiros e que haja a justa e devida responsabilização por essas perseguições.

O senador Otto Alencar (PSD-BA) repudiou a situação enfrentada pelos religiosos e destacou que a Convenção de Genebra garante as ações de evangelização. 

"É inaceitável o que aconteceu em Angola com o fechamento de templos religiosos da Igreja Universal do Reino de Deus", afirmou Otto Alencar.

O senador e membro da Comissão de Relações Exteriores do Senado, Vanderlan Cardoso (PSD-GO), lamentou os atos de violência contra pastores.

"Lamentamos que no mundo em que vivemos hoje ainda exista atos de violência contra religião. Repudiamos esses atos contra qualquer religião ou denominação religiosa", afirmou.

Cardoso frisou que as autoridades brasileiras estão cientes sobre a situação dos brasileiros e afirmou que o Senado tomará as medidas necessárias para que esses atos não se repitam.

O deputado federal Cláudio Cajado (PP-BA) ressaltou a situação de insegurança jurídica que pastores estão passando e pediu a garantia da segurança da propriedade.

Deputado federal Cláudio Cajado (PP-BA)

Deputado federal Cláudio Cajado (PP-BA)

Marcos Zurck/R7 Bahia

"Lamento que brasileiros estejam sendo ameaçados, estejam sofrendo restrições em suas liberdades de ir e vir e estejam tendo as suas residências invadidas por parte de angolanos. Mais do que isso, lamento também a insegurança jurídica", disse o deputado baiano.

O deputado federal Carlos Gomes (Republicanos-RS) fez um apelo para que as autoridades locais combatam a violência contra brasileiros e que seja feita a reintegração dos templos que foram alvo de invasores. Segundo ele, a situação pode afetar as relações comerciais entre os dois países.

"Invasores estão tomando templos religiosos com agressões. Estão expulsando pastores, bispos e membros. Faço um apelo às autoridades angolanas para que tome as devidas providências: combater a violência, expulsar os invasores e fazer a integração de posse", disse Gomes.

Últimas