Brasil Coordenador da corrente de Marta no PT diz que 'ninguém é imprescindível'

Coordenador da corrente de Marta no PT diz que 'ninguém é imprescindível'

Rochinha pede que petistas ponham fim "no chororô" e que não cuspam 'no prato em que comeram'

Coordenador da corrente de Marta no PT diz que 'ninguém é imprescindível'

Integrante da corrente de Marta Suplicy no PT pediu o fim do "chororô"

Integrante da corrente de Marta Suplicy no PT pediu o fim do "chororô"

Valter Campanato/23.07.2013/ABr

O dirigente nacional do PT Francisco Rocha, o Rochinha, coordenador da corrente petista CNB (Construindo um Novo Brasil), integrada por nomes como o ex-presidente Lula e a senadora Marta Suplicy, disse em entrevista que os petistas precisam "parar com o chororô e não cuspirem no prato em que comeram".

— Isso vale para a Marta e para outros correligionários porque as divergências e mágoas internas não podem ser expostas através da grande mídia. É hora de corrigir os erros e seguir em frente.

Indagado se as novas críticas de Marta ao PT e à presidente Dilma Rousseff, publicadas nesta terça-feira em um artigo, poderiam implodir as pontes que alguns dirigentes estão construindo para tentar manter a senadora nos quadros da legenda, Rochinha respondeu: "Marta Suplicy é um quadro importante, não há dúvida, ela já foi deputada, prefeita de São Paulo, ministra e voltou ao Senado. Mas ninguém é imprescindível."

O dirigente petista disse que a senadora é sua amiga pessoal e que pretende voltar a conversar com ela quando retornar de suas férias, no dia 30 deste mês. 

— Aposto no caminho da conversação.Se formos analisar bem, o estilo de Marta [dizer as coisas] não é muito diferente do estilo de Dilma [presidente Dilma Rousseff].

Apesar da forte amizade que os une e de Marta fazer parte da corrente que coordena, a CNB, Rochinha contesta a crítica que a senadora fez na entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo, de que o PT poderia acabar se não mudar.

— Acho que estão procurando chifre em cabeça de cavalo, o PT não vai acabar.

Francisco Rocha disse que a CNB realizou recentemente um grande seminário, com participação de 170 pessoas de 25 Estados do País, onde ficou evidente a união e o compromisso de fortalecer a legenda.

— O PT é um partido eclético, com uma gama de pensamentos a favor ou contra, a CNB é um transatlântico com entra e sai, mas o importante é que não deixamos de seguir em frente.

Apesar da ponderação do coordenador da CNB, que pretende continuar as conversas com a senadora Marta Suplicy, a despeito de sua mais recente crítica ao PT e à presidente, outros dirigentes petistas acreditam que a situação dela no partido está ficando cada vez mais insustentável.

A expectativa era de que, após a entrevista recheada de críticas que ela deu ao Estadão, ela buscasse o caminho do entendimento. O que acabou não ocorrendo, com o artigo que ela publicou no jornal Folha de S.Paulo.