Operação Lava Jato

Brasil Corregedoria do MPF pede cópia de dados da Lava Jato

Corregedoria do MPF pede cópia de dados da Lava Jato

Atividade é parte de um procedimento interno, aberto para verificar se houve irregularidade na atuação da força-tarefa 

Agência Estado
Dados da força-tarefa provocaram queda de braços entre Aras e procuradores

Dados da força-tarefa provocaram queda de braços entre Aras e procuradores

Dida Sampaio/ Estadão Conteúdo - 26.09.2019

A corregedora-geral do MPF (Ministério Público Federal), Elizeta Maria de Paiva Ramos, determinou que a força-tarefa da Lava Jato no Paraná envie cópia da base de dados da operação. A atividade é parte de um procedimento interno, aberto para verificar se houve irregularidade na atuação do grupo. As informações sigilosas da investigação motivaram uma queda de braço entre os procuradores de Curitiba e o procurador-geral da República, Augusto Aras.

Veja também: Fim da Lava Jato? 'Oposição do governo' e outros 3 fatores que explicam crise

A obtenção de dados é um desejo da gestão do PGR, que já fez uma requisição direta aos procuradores do Paraná e chegou a acionar o STF (Supremo Tribunal Federal) para obter a cópia — sem sucesso, nos dois casos. Agora, as informações foram copiadas pela Sppea (Secretaria de Perícia, Pesquisa e Análise) da PGR, que é ligada ao gabinete do procurador-geral. A Corregedoria-Geral, no entanto, afirma que os dados não estarão à disposição de Aras.

Leia mais: MPF denuncia dois delegados da PF por crimes de corrupção no Rio

Procurada pela reportagem, Elizeta Paiva disse que houve cópia apenas para análise da corregedoria, mas nenhum outro setor do MPF terá acesso. Ela negou-se a dar mais detalhes por se tratar de procedimento sigiloso.

A justificativa de Aras ao requisitar o acesso é o que ele chama de uma "caixa de segredos" e a necessidade de "correção de rumos" na operação. No fim de junho, a coordenadora dos processos ligados à Lava Jato na PGR, Lindôra Araújo, foi a Curitiba solicitar os dados, mas os procuradores não aceitaram e criticaram a "inspeção informal". O episódio resultou na abertura de uma sindicância interna no órgão.

Um dos argumentos de Aras para vistoriar os dados da Lava Jato no Paraná foi a inclusão dos nomes dos atuais presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), nos autos de uma denúncia apresentada pelos procuradores da primeira instância, que não têm atribuição legal para investigar chefes de poderes.

Em julho, Aras chegou a fazer uma live e defendeu o fim do "lavajatismo". Na ocasião, membros da força-tarefa no Paraná reagiram com uma nota de repúdio ao que chamaram de "ataques genéricos", "declarações infundadas" e "ilações".

Supremo. A PGR solicitou os dados ao STF em julho, durante o recesso. O então presidente da Corte, ministro Dias Toffoli, autorizou. No entanto, o relator dos processos ligados à Operação Lava Jato, ministro Edson Fachin, revogou a decisão, o que interrompeu o repasse das informações, que já havia sido iniciado. Apesar de ter recusado a cópia de dados diretamente à PGR, em junho, a força-tarefa da Lava Jato, agora, não se opôs ao pedido da Corregedoria-Geral.

Procurado pela reportagem, o coordenador da força-tarefa da Lava Jato do Paraná, Alessandro Oliveira, não quis comentar o assunto. Em nota, a Corregedoria-Geral do MPF disse que a solicitação "não possui nenhuma relação com medida judicial analisada pelo Supremo Tribunal Federal".

'Diligência' gerou reação

Braço direito de Augusto Aras, sub-procuradora-geral da República Lindora Maria Araújo fez em julho uma "diligência" para consultar o banco de dados da força-tarefa da Operação Lava Jato, em Curitiba. Os procuradores reagiram e, alegando independência funcional, enviaram ofício a Aras relatando "estranhamento" com a o que chamaram de "busca informal". Em nota, Lindora negou irregularidade e disse que se tratava de uma reunião previamente agendada. A PGR emitiu uma nota afirmando que a Lava Jato "não é um órgão autônomo e distinto do MPF". A corregedoria-geral do Ministério Público Federal abriu sindicância para investigar o caso.

Últimas