CPI da Covid

Brasil CPI analisa documentos e define próximos depoentes nesta semana

CPI analisa documentos e define próximos depoentes nesta semana

Integrantes da comissão farão reuniões on-line para analisar mais de dois terabytes de dados entregues até o momento

  • Brasil | Do R7

Prorrogada, CPI da Covid tem duas semanas para analisar milhares de documentos

Prorrogada, CPI da Covid tem duas semanas para analisar milhares de documentos

Marcos Oliveira/Agência Senado-08/07/2021

O presidente da CPI da Covid, Omar Aziz (PSD-AM), afirmou no fim de semana que a partir desta segunda-feira (19) os senadores da comisssão começam a definir como será a segunda fase dos trabalhos de investigação, após o recesso parlamentar.

A CPI tinha marcada para amanhã a oitiva do líder do governo na Câmara, deputado federal Ricardo Barros (Progressista-PR). Com o recesso parlamentar, no entanto, os depoimentos ficam proibidos. O parlamentar, que vem insistindo para prestar esclarecimentos após ser envolvido numa suposta irregularidade no acordo para trazer ao país a vacina indiana Covaxin, deve ser um dos primeiros da lista a partir de agosto, quando os trabalhos serão retomados.

Não haverá depoentes nos próximos dias, mas serviço não faltará à comissão. Os senadores precisam focar na análise dos inúmeros documentos que não param de chegar.

Até sexta-feira (16), já haviam sido entregas 1.833 arquivos por órgãos federais, estaduais e municipais e empresas particulares que responderam aos requerimentos dos integrantes da CPI, quase todos com vários anexos e pastas.

O peso total dos dados se aproxima de dois terabytes - segundo o Senado Federal, esse espaço ocupado pelas informações entregues pode ser comparado ao de 250 mil fotos, 500 horas de vídeos ou 6,5 milhões de páginas de documentos.

Para viabilizar a análise, que se dará por reuniões on-line, os senadores decidiram no sábado (17) dividir os trabalhos em sete núcleos temáticos. São eles:

- Hospitais federais (possível ligação entre  compra de vacinas e desvios de verba pública no Rio)

- Precisa Medicamentos (empresa que negociou a Covaxin com o governo);

- Empresas intermediárias que negociaram vacina com o Ministério da Saúde;

- Instituto Força Brasil (relacionado à negociação com a Davati por vacinas das AstraZeneca;

- VTCLog - União aceitou pagar 18 vezes mais por serviço ao Ministério da Saúde;

- Cloroquina (quem defendeu e teve benefícios com a defesa do medicamento ineficaz contra a covid-19)

- Negacionismo (propagação de posições anticientíficas e informações falsas sobre a pandemia).

A comissão, que encerraria seus trabalhos no início do próximo mês se não fosse prorrogada, retomará as atividades em 3 de agosto com o depoimento do reverendo Amilton Gomes de Paula, apontado como intermediário do contato entre a Davati e integrantes do Ministério da Saúde na negociação de doses que a empresa dizia ter da AstraZeneca.

Também estão na relação de futuros depoentes, com requerimentos já aprovados, o proprietário da Precisa Medicamentos, Francisco Maximiano, o coronel do Exército e ex-integrante do Ministério da Saúde Marcelo Blanco, além dos retornos do deputado federal Luís Miranda e do ex-ministro Eduardo Pazuello.

Últimas