CPI da Covid

Brasil CPI: Barros volta a depor após bate-boca e ameaça de cancelamento

CPI: Barros volta a depor após bate-boca e ameaça de cancelamento

Sessão que ouve líder do governo na Câmara foi suspensa após deputado dizer que comissão afasta vendedores de vacina

Barros faz depoimento tenso na CPI nesta quinta

Barros faz depoimento tenso na CPI nesta quinta

Adriano Machado/Reuters - 12.08.2021

.A sessão da CPI da Covid desta quinta-feira (12), que ouve o líder do governo na Câmara, deputado Ricardo Barros (PP-PR). foi retomada nesta tarde após quase ser cancelada por causa de um bate-boca entre os parlamentares. 

A confusão começou quando o líder do governo fez críticas duras ao trabalho da comissão. Barros, que prestava depoimento por suposta ligação com a compra da vacina Covaxin, disse que a CPI afastou fabricantes interessados em vender vacinas ao país.

CPI quebra sigilo de contrato da Covaxin, determinado pelo governo

A decisão de manter o depoimento ocorreu após conversa entre os senadores que comandam a CPI.

Barros disse “esperar” que a CPI produza efeitos positivos. “Porque negativo já produziu muitos. Afastou muitas empresas interessadas em vender vacinas ao Brasil”. O deputado foi prontamente rebatido por vários senadores.

Omar Aziz era um dos mais exaltados: "Afastamos as vacinas que vocês do governo queriam tirar proveito", disse. Ele anunciou que a reunião estava suspensa e que iria reavaliar o "convite". Isso porque na quarta-feira (11) a comissão alterou o caráter da participação: antes, o pedido era de convocação, com participação obrigatória, e tornou-se apenas um convite.

No início da sessão, Aziz já tinha alertado que não admitiria queixas à CPI e que Barros poderia fazê-las apenas fora da reunião, se assim desejasse.

A senadora Simone Tebet (MDB-MS) foi a responsável por interromper a fala de Ricardo Barros no momento das críticas. "Isso não é verdade", afirmou em relação à acusação de que a comissão afastou vendedores. "Essa CPI foi instalada não tem 90 dias. Nós já tínhamos quase 400 mil vidas perdidas. Dizer que afastamos fabricantes idôneos...", reclamou.

Últimas