STF

Brasil CPI da Covid vai continuar durante recesso parlamentar, anuncia Aziz

CPI da Covid vai continuar durante recesso parlamentar, anuncia Aziz

Decisão ainda depende do presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, que já é pressionado para prorrogar prazo da comissão

Omar Aziz fez anúncio depois de lamentar morte de amigo pessoal por complicações da covid

Omar Aziz fez anúncio depois de lamentar morte de amigo pessoal por complicações da covid

Pedro França/Agência Senado

O presidente da CPI da Covid, senador Omar Aziz (PSD-AM), anunciou nesta terça-feira (7) que a comissão pretende manter os trabalhos durante o recesso parlamentar. A medida, porém, ainda depende de decisão do presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), já que a interrupção de atividades na Casa obrigaria interrupção da CPI. 

O recesso parlamentar está previsto do dia 18 até o dia 31 de julho, o que interferiria também na duração da comissão, com prazo até o dia 7 de agosto.

"Não temos o direito, como senadores e senadoras, de tirar férias com pessoas morrendo. Temos a vida toda para tirar férias", disse Aziz, depois de lamentar morte de seu amigo pessoal, o sócio proprietário da TV Norte Amazonas, Otávio Raman Neves, que faleceu após complicações da covid.

Mesmo após o fim do prazo, a CPI deve ser prorrogada. A continuidade dos trabalhos já conta com 34 assinaturas no Senado, sete a mais do que o necessário, e parlamentares já levaram a questão ao STF (Supremo Tribunal Federal) para obrigar Pacheco a prorrogar a investigação. Ele defende só avaliar a prorrogação ao final dos trabalhos, em agosto. 

Assim, Pacheco pode ser obrigado outra vez pelo STF a dar continuidade à CPI da Covid. Ele era contra a instalação da comissão em abril, mas foi forçado após decisão monocrática do ministro Luís Barroso, que posteriormente foi confirmada pelo Plenário do Supremo

Últimas