CPI da Covid

Brasil CPI ouve auditor do TCU por estudo que contesta mortes por covid-19

CPI ouve auditor do TCU por estudo que contesta mortes por covid-19

Levantamento foi citado por Bolsonaro e depois desmentido pelo Tribunal de Contas da União, que afastou o servidor

Alexandre Marques, auditor do TCU

Alexandre Marques, auditor do TCU

Reprodução Twitter

A CPI da Covid ouve nesta terça-feira (17) o auditor do TCU (Tribunal de Contas da União) Alexandre Figueiredo Costa Silva Marques. Ele teria feito um estudo que foi citado pelo presidente Jair Bolsonaro e que apontaria que o número de mortes no Brasil seria menos da metade do realmente computado.

O estudo foi destacado por Bolsonaro em junho como argumento de que haveria uma supernotificação de casos de covid-19 no país. De acordo com o documento, apenas quatro em cada dez óbitos (41%) registrados por complicações da doença seriam efetivamente resultado da contaminação pelo novo coronavírus.

Bolsonaro afirmou posteriormente que errou ao fazer a declaração, e o o TCU desmentiu que tenha produzido o documento, indicando que o texto seria uma análise pessoas de Alexandre Marques. O servidor foi afastado do cargo por 60 dias.

Marques prestou depoimento em julho à comissão constituída no TCU para investigar a conduta do servidor no caso. Conforme reportagem do jornal "Folha de S. Paulo", Marques afirmou que o documento foi alterado após o envio a Bolsonaro.

A convocação do auditor Alexandre Marques foi sugerida pelos senadores Humberto Costa (PT-PE) e Alessandro Vieira (Cidadania-SE). Vieira quer “esclarecer os detalhes da participação” do auditor na produção do “estudo paralelo".

Ex-secretário

Também está marcado para esta terça-feira o depoimento do ex-secretário da Saúde do Distrito Federal Francisco de Araújo Filho, denunciado por irregularidades na compra de testes rápidos.

O depoimento atende requerimento do senador Eduardo Girão (Podemos-CE). Ele lembra que a Operação Falso Negativo, deflagrada pelo Ministério Público do Distrito Federal, descobriu irregularidades na aquisição de testes para identificação do novo coronavírus.

Filho chegou a ser preso e denunciado por organização criminosa, fraude à licitação e desvio de dinheiro público.

Últimas