Cunha pede ao STF fatiamento de processo para tentar pena mais branda

Processo seria feita como o que aconteceu com Dilma Rousseff no processo de impeachment

Até a noite de quinta-feira (8), 270 deputados haviam declarado que vão votar pela perda do mandato de Cunha

Até a noite de quinta-feira (8), 270 deputados haviam declarado que vão votar pela perda do mandato de Cunha

Alan Marques/21.06.2016/Folhapress

O ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB-RJ) apresentou um novo pedido no Supremo Tribunal Federal (STF) para tentar uma pena mais branda ao peemedebista, nos moldes do que aconteceu com a presidente cassada Dilma Rousseff no processo de impeachment.

De acordo com informações do jornal, a defesa de Cunha ingressou com um mandado de segurança em que solicita que o plenário da Câmara vote, em vez do parecer por sua cassação, um projeto de resolução. A peça permite emendamento e, consequentemente, a proposição de uma pena mais branda, como uma suspensão temporária.

Um levantamento realizado pelo jornal O Estado de S. Paulo indica que já há número suficiente de votos para aprovar o pedido de cassação do deputado afastado na próxima segunda-feira (12).

Leia mais notícias de Brasil e Política

O placar, no entanto, também mostra que existe espaço para um "acordão" que pode resultar numa pena mais branda para o peemedebista.

Até a noite de quinta-feira (8), 270 deputados haviam declarado que vão votar pela perda do mandato de Cunha. Para que a cassação seja aprovada, é necessário o voto de no mínimo 257 dos 513 deputados.

Dos 270 que declararam votar pela cassação, 21 deputados sinalizam estar propensos a suavizar a pena do ex-presidente da Câmara. Entre eles, sete se disseram indecisos em relação a uma pena mais branda, 13 não quiseram responder e um - Felipe Maia (DEM-RN) - disse ser a favor da cassação, mas vota por uma pena mais branda. "Essa questão está sub judice. Ainda não analisei", afirmou o deputado José Mentor (PT-SP).