Brasil Diretor de Comunicação da Marinha visita sede da Record TV

Diretor de Comunicação da Marinha visita sede da Record TV

Contra-Almirante João Alberto de Araújo Lampert foi recebido pelo vice-presidente de jornalismo da emissora, Antonio Guerreiro

O encontro aconteceu na sede da Record TV, na Barra Funda, em São Paulo

O encontro aconteceu na sede da Record TV, na Barra Funda, em São Paulo

Karina Lajusticia/Record TV

Na manhã desta terça-feira (28), o vice-presidente de jornalismo da Record TV, Antonio Guerreiro, recebeu a visita do Contra-Almirante João Alberto de Araújo Lampert, diretor do Centro de Comunicação Social da Marinha do Brasil.

No encontro, focado em reforçar e estreitar ainda mais o relacionamento entre ambas  as instituições, foram sugeridas pautas importantes para o jornalismo da emissora.

Durante a conversa, Lampert ressaltou a importância da Amazônia Azul e de se criar a mentalidade marítima dentro da base curricular.

“É importante você valorizar o mar. Não só por causa da praia ou por causa dos Portos, mas pelas riquezas que se tem ali, do potencial ambiental que tem que ser preservado, das ilhas oceânicas... isso tudo é muito bonito, mas o problema é você transformar isso efetivamente em ações, programas de Governo. A gente tem estrutura governamental, tem a Comissão Interministerial para Recursos do Mar, em Brasília, que junta mais de 20 Ministérios e Instituições com programas para fomentar essa mentalidade marítima. Mas é muito difícil se fazer isso penetrando a sociedade.”

E completou:

“Existe um mar que é nosso, é do brasileiro, que a gente tem que cuidar, preservar. Ele tem um potencial enorme: tem o surf, o turismo e o pesqueiro, que vem pescar coisas que não são deles aqui e que precisamos nos preocupar em proteger. A gente não tem soberania da Amazônia Azul para tudo, mas pelo menos a soberania econômica e de pesquisa é nossa, de extração de pescado também e por aí vai. Então é um trabalho de formiguinha que a gente vai fazendo”.  

O contra-almirante citou ainda as quatro vertentes da Amazônia Azul — "ambiental, científica, econômica e soberania, que é o caso da Marinha”.

Lampert comentou também sobre o isolamento que fizeram para que não houvesse nenhum tipo de contágio de Covid-19 na Base da Antártica.

“Conseguimos isolar a turma para não ter nenhum tipo de contágio, pois seria uma catástrofe. A vacinação foi lançada por aeronave. Mantivemos o fluxo logístico, mas interrompemos o fluxo de pessoas. O trabalho foi remoto durante a pandemia. O pessoal já tem uma estrutura logística, que é quase autossuficiente, mas você tem maneiras de fazer o suprimento sem contato humano. É lançado o palete do avião e o pessoal vai de bote e pega”.

Já com relação a credibilidade do jornalismo da Record TV:

“Só o fato de estarmos aqui já é uma mensagem de que a gente confia muito no viés de vocês. Eu vejo a Record num posicionamento muito interessante”, elogiou.

“Do nosso lado, o que eu posso dizer da nossa linha editorial é que nós optamos simplesmente por fazer jornalismo. A gente decidiu não abraçar nenhuma campanha, a gente decidiu não ser panfleto de maneira alguma. Consideramos legítima a posição de outros grupos de imprensa, seja para lá, para cá. Porém fazemos jornalismo pensando na população brasileira e perseguimos o factual. Foi bom, iremos noticiar o que eles consideram bom. Se foi ruim, iremos noticiar o que eles consideram ruim. Nosso papel é simplesmente reportar”, afirmou Antonio Guerreiro.

E, para finalizar, quando perguntado sobre como está a base da tropa com relação a uma eventual ruptura institucional, afirmou:

“A tropa continua sólida, com o comando firme, muito sereno. A Marinha continuou trabalhando durante toda a pandemia, continuou tocando seus projetos, fazendo justamente aquilo que a gente faz e que a gente é pago para fazer, com as nossas dificuldades. As instituições permanecem com a solidez que sempre tiveram, tudo aquilo além disso é narrativa."

"O mundo que está diferente. O mundo da informação, da rede social, das fake news e das narrativas. É o pós jornalismo, o pós informação... tem várias teorias aí que o pessoal vai estudando e a gente, mesmo como Centro de Comunicação, tem sempre que se reinventar."

Participaram da reunião também o Capitão de Fragatas Joabe Berriel da Silva, chefe do departamento de imprensa da Marinha, a dupla de apresentadores do Fala Brasil, Mariana Godoy e Sérgio Aguiar, e o diretor de conteúdo do jornalismo, Thiago Contreira.

Últimas