Dono da Rodrimar está entre presos nesta quinta-feira

Empresa é investigada por suposto pagamento de propinas ao presidente Michel Temer no caso do Decreto dos Portos

Grecco chega à superintendência da PF em São Paulo

Grecco chega à superintendência da PF em São Paulo

Aloisio Mauricio /Fotoarena/Folhapress

O dono do Grupo Rodrimar, Antônio Celso Grecco, também foi preso nesta quinta-feira (29) por determinação do ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Luis Roberto Barroso, na Operação Skala. A Polícia Federal ainda cumpriu mandados de busca e apreensão na sede da empresa, em Santos.

Mais cedo, José Yunes, advogado e amigo próximo do presidente Michel Temer, foi detido por policiais federais por ordem do ministro Barroso. 

Ainda não se sabe oficialmente qual é o caso que motivou as prisões, mas Yunes está entre os investigados no caso do Decreto dos Portos, em que o presidente Temer, signatário do documento, é apontado como beneficiário de propina para beneficiar empresas dos setor portuário em Santos, incluindo a Rodrimar. 

A empresa ainda não se manifestou sobre a operação policial desta quinta-feira assim como a defesa de Grecco. 

O inquérito sobre o Decreto dos Portos é o último aberto por solicitação do ex-procurador-geral da República, Rodrigo Janot, em que o presidente Michel Temer é investigado. Ele se manifestou nesta manhã pelo Twitter sobre a prisão da Yunes. "Começou? Acho que sim", escreveu. 

O ministro Barroso já havia mandado quebrar o sigilo bancário de Temer, no começo deste mês, na mesma investigação. 

O R7 entrou em contato com a Rodrimar, mas não havia ninguém disponível para comentar a operação policial.