Novo Coronavírus

Brasil E daí? Lamento. Quer que eu faça o quê?, diz Bolsonaro sobre mortes

E daí? Lamento. Quer que eu faça o quê?, diz Bolsonaro sobre mortes

Nas últimas 24 horas foram registrados 474 óbitos e o Brasil ultrapassou os números de mortes da China

Agência Estado
O presidente Jair Bolsonaro perde o equilíbrio e se apoia ao descer do carro

O presidente Jair Bolsonaro perde o equilíbrio e se apoia ao descer do carro

DIDA SAMPAIO/ESTADÃO CONTEÚDO



O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta terça-feira (29) que lamenta, mas não tem o que fazer em relação ao recorde de mortes registradas em 24 horas, com 474 óbitos, ultrapassando a China no número total de óbitos pelo novo coronavírus.

“E daí? Lamento. Quer que eu faça o quê? Eu sou Messias, mas não faço milagre", disse Bolsonaro, em referência ao próprio sobrenome.

Leia também: Ministério alerta para aumento das infecções respiratórias no inverno

Durante a entrevista em frente ao Palácio da Alvorada, uma jornalista disse ao presidente: “A gente ultrapassou o número de mortos da China por covid-19..." Foi quando Bolsonaro o respondeu que não poderia fazer nada.

Nesta terça-feira, segundo boletim divulgado pelo Ministério da Saúde, o número de mortes confirmadas por covid-19, a doença provocada pelo coronavírus, ultrapassou a marca dos 5 mil, chegando a 5.017. Na China, são 4.643.

Momentos depois, na mesma entrevista, Bolsonaro disse se solidarizar com as famílias das vítimas. “Lamento a situação que nós atravessamos com o vírus. Nos solidarizamos com as famílias que perderam seus entes queridos, que a grande parte eram pessoas idosas”, disse.

“Mas é a vida. Amanhã vou eu. Logicamente, a gente quer ter uma morte digna e deixar uma boa história para trás”, disse o presidente.

Questionado se conversaria com o ministro da Saúde, Nelson Teich, sobre a flexibilização do distanciamento social, Bolsonaro afirmou que não dá parecer e não obriga ministro a fazer nada.

O presidente também disse que ninguém nunca negou que a covid-19 causaria mortes no Brasil e que 70% da população será infectada. “As mortes de hoje, a princípio, essas pessoas foram infectadas há duas semanas. É o que eu digo para vocês: o vírus vai atingir 70% da população. Infelizmente é a realidade. Mortes vão haver. Ninguém nunca negou que haveria mortes”, disse.

"É igual a uma chuva. Você vai se molhar. Tem que proteger da chuvaos mais fracos, os mais idosos, para não virar pneumonia, gripe".

Últimas