Brasil Eduardo Bolsonaro critica acesso irregular a dado familiar sigiloso

Eduardo Bolsonaro critica acesso irregular a dado familiar sigiloso

Deputado federal reclamou no Twitter após descobrir que funcionários da Receita Federal acessaram dados de seus familiares de maneira irregular

Eduardo Bolsonaro critica acesso irregular a dado familiar sigiloso

Deputado publicou críticas em sua conta no Twitter

Deputado publicou críticas em sua conta no Twitter

Marcelo Camargo/Agência Brasil 01.02.2019

O deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho do meio do presidente Jair Bolsonaro, criticou na tarde deste sábado (6) o acesso irregular a dados sigilosos da família por funcionários da Receita Federal.

"E assim vão devassando nossas vidas ilegalmente, vazam propositalmente para a imprensa e aí a narrativa já está pronta. Sabíamos que seria assim, mas é preciso fazer esses maus funcionários sentirem o peso da lei! Ninguém está acima e nem abaixo da lei", escreveu o deputado em uma postagem.

Na postagem, ele replicou ainda a mensagem que o pai havia escrito no Twitter na noite anterior sobre o caso.

"Desde o início do ano passado 2 funcionários da Receita acessaram ILEGALMENTE informações fiscais de minha pessoa e familiares. Procuravam algo para vazar e me incriminar por ocasião da eleição. Sindicância da Receita concluiu não haver 'legalidade para acesso' e notificou a PF", disse o presidente na sexta-feira.

A tentativa de acesso aos dados dos familiares de Bolsonaro veio à tona na sexta-feira.

Leia também: 'Não teremos horário de verão neste ano', afirma Bolsonaro

A Receita abriu sindicância depois de a corregedoria ter sido informada que dados confidenciais do presidente e de vários CPFs relacionados à família Bolsonaro estavam sendo acessados — os sistemas do órgão são monitorados e cada consulta é registrada.

Em depoimento à Polícia Federal, um dos servidores investigados, Odilon Alves Filho, disse que fez apenas um acesso e consultou apenas dados cadastrais, por curiosidade. Ele é irmão da deputada Norma Ayub (DEM-SP).