Brasil Em defesa de Renan, Collor acusa Gurgel

Em defesa de Renan, Collor acusa Gurgel

Para o senador, Gurgel não tem autoridade moral para apresentar denúncia 

Em defesa de Renan, Collor acusa Gurgel

O ex-presidente da República e senador Fernando Collor (PTB-AL) criticou, durante discurso, o procurador-geral da República, Roberto Gurgel, a quem chamou de "chantagista" e "prevaricador". Semana passada, Gurgel apresentou ao STF (Supremo Tribunal Federal) denúncia contra o candidato à Presidência do Senado Renan Calheiros (PMDB-AL), acusando-o de usar notas "frias" para comprovar seu patrimônio. Collor classificou a ação de uma "pseudodenúncia".

Durante a CPI do Cachoeira, Collor entrou com um pedido de impeachment contra Gurgel no Senado e também com representações no CNMP (Conselho Nacional do Ministério Público), questionando a demora do procurador-geral em investigar o ex-senador Demóstenes Torres e sua relação com o contraventor Carlinhos Cachoeira. Por isso, para o senador, o procurador não tem isenção para apresentar uma denúncia contra o aliado Renan Calheiros.

— O senhor procurador-geral, Roberto Gurgel dos Santos, não tem nenhuma autoridade para apresentar qualquer tipo de denúncia contra nenhum parlamentar. [Gurgel] Tem contra si, tramitando nesta Casa, representação contra sua atuação. Esta representação demonstra que o senhor procurador-geral é chantagista, prevaricador e que cometeu crime de responsabilidade. Como é que este senhor tem autoridade moral para apresentar uma denúncia contra um senador da República que já foi julgado pelo Senado Federal? Julgado e absolvido pelo Senado Federal. Num sábado?

Parlamentares acusados de corrupção devem comandar Congresso pelos próximos dois anos

Leia mais notícias de Brasil

De ministro a senador investigado após caso extraconjugal: veja a trajetória de Renan Calheiros

O ex-presidente defendeu Renan, desejando-lhe sucesso caso eleito presidente da Casa.

— A sua eleição será uma afirmação do Senado da República e não temos que temer chuvas, trovões e trovoadas.

Para ele, o Poder Legislativo vem sendo injuriado e colocado numa situação subalterna com outros poderes da República.

— Ficamos recebendo orientações e, mais do que isso, ordens do Poder Judiciário, e não pode em momento nenhum abrir mão de suas prerrogativas. Algo de estranho paira no ar. Alguma orquestração está por cima disto tudo e o Senado da República no seu momento de afirmação como poder não pode em momento nenhum se agachar e aceitar uma denúncia absolutamente inepta.