Lula

Brasil Em delação, Funaro acusa Temer de receber propina, diz revista

Em delação, Funaro acusa Temer de receber propina, diz revista

STF homologou nesta semana delação do operador do PMDB

  • Brasil | Do R7

Funaro seria o operador de propinas no PMDB

Funaro seria o operador de propinas no PMDB

31.07.2014/HÉLVIO ROMERO/ESTADÃO CONTEÚDO

Na delação homologada nesta semana pelo STF (Supremo Tribunal Federal), o empresário e doleiro Lúcio Funaro, apontado como operador de propinas dentro do PMDB, acusa o presidente Michel Temer de ter conhecimento sobre o esquema de pagamento de vantagens indevidas dentro do partido. A informação foi publicada pelo repórter Robson Bonin na revista Veja desta semana.

A publicação afirma ter tido acesso ao “roteiro” da delação, que revela “subornos a parlamentares, venda de legislação e grandes esquemas de corrupção”.

“A parte mais delicada envolve o presidente Michel Temer. São relatos em que o presidente aparece fazendo lobby para políticos, cobrando repasses de caixa dois e, também, como destinatário de propina”, descreve a reportagem.

Muito próximo do ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB-RJ), Funaro teria afirmado que o presidente da República “sempre soube” dos esquemas operados pelo parlamentar.

Segundo o delator, Temer teria recebido ou intermediado o pagamento de propina em três ocasiões, totalizando R$ 13,5 milhões.

Funaro também acusa o empresário Joesley Batista de tentar comprar o seu silêncio, pela quantia de R$ 100 milhões, dos quais R$ 4,6 milhões foram efetivamente pagos, até o dono da JBS se tornar um delator e revelar o esquema.

Testemunha-chave

Funaro é processado pela Justiça Federal em Brasília em três investigações da Polícia Federal (PF) — Greenfield, Sépsis e a Cui Bono? — que envolvem suspeitas de desvios de recursos públicos e fraudes na administração de quatro dos maiores fundos de pensão de empresas públicas do país: Funcef (Caixa), Petros (Petrobras), Previ (Banco do Brasil) e Postalis (Correios).

O empresário também foi citado nas delações da JBS. Joesley narrou em sua delação pagamentos por negócios relacionados ao Ministério de Agricultura. O primeiro pagamento na Agricultura ocorreu quando houve a liberação para a exportação de despojos animais. De acordo com Joesley, a JBS nem havia pleiteado a medida, mas foi cobrada em R$ 2 milhões por Funaro.

Funaro é testemunha-chave em processos que envolvem o deputado cassado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) e os ex-ministros Henrique Eduardo Alves e Geddel Vieira Lima.

O doleiro está há mais de um ano preso no Complexo Penitenciário da Papuda, no Distrito Federal.

Últimas