Empresária desiste de máscaras de Cerveró após "recado" dos advogados do ex-Petrobras

Para Olga Valle, dona da fábrica Condal, tempo também dificultou projeto para este ano

Todos os anos, as máscaras de políticos são destaque no Carnaval pelo País afora. Neste ano, porém, não deve haver nenhuma grande novidade neste mercado, mesmo apesar das denúncias envolvendo a Petrobras.

Olga Valle, dona da fábrica de máscaras Condal, disse que optou por não fazer uma máscara de Nestor Cerveró após conversa com os advogados do ex-diretor da Petrobras.

— Nós pretendíamos fazer [a máscara], e ele não gostou da ideia. Foi uma conversa amistosa [com os advogados de Cerveró], absolutamente amigável, mas quem avisa, amigo é.

Olga ainda comenta que esta é uma questão ambígua, pois coloca o direito do artesão frente ao direito de imagem.

Leia mais notícias de Brasil no Portal R7

Neste ano, nenhuma máscara está se destacando sobre as outras, como ocorreu com as de Joaquim Barbosa e Roberto Jefferson nos anos anteriores, lembra a empresária.

— Entre os políticos, não tem ninguém que se destaque sobre os outros. Não tem nenhuma máscara que se possa dizer "essa está bombando mesmo".

Em 2015, todas as máscaras têm tido saída na empresa, que não trabalha apenas para o Carnaval, diz Olga.

— Você vende Dilma, vende Lula, você vende até máscaras antigas, como o PC (Paulo César) Farias. São máscaras que já tem um tempão que não vendia nenhuma.

A empresa produz até 1.000 máscaras por dia, de diversos tipos. São políticos — como Aécio Neves, Lula, Collor, Sarney etc —, personagens — como Pikachu, Wolverine, Carlitos etc —, entre outras pessoas famosas — como o pedreiro Amarildo, Osama Bin Laden, Saddam Hussein etc.

Graça Foster

Para este ano, a empresa está preparando a máscara de Graça Foster, presidente da Petrobras.

— Ainda não está pronta, está no primeiro estágio, no trabalho do artista plástico.

A produção, porém, não deve ser suficiente para o Carnaval deste ano, já que a produção não deve dar conta até o dia da festa.

— Produziremos até o domingo de Carnaval. As máscaras vendem muito, até a última semana. As lojas tem de ter o estoque antes, para vender. O pico de produção é durante o Carnaval, mas trabalhamos o ano inteiro para fazer o estoque das máscaras.

Fabricação

A Condal fica no Rio de Janeiro, e foi fundada há 56 anos atrás por Armando Valle, marido da espanhola Olga. Armando faleceu em 2007, e sua mulher continuou com a tradição da fábrica.

Para produzir as máscaras, são necessárias, basicamente, quatro etapas. A primeira é a modelagem, em argila, do rosto da pessoa. Após este processo, é retirado um molde que será usado nas máquinas. Em seguida, o plástico é conformado no formato deste modelo, para, só em seguida, ser pintado. Todo o processo é artesanal.