tragédia brumadinho
Brasil Engenheiros que atestaram segurança de barragem são presos

Engenheiros que atestaram segurança de barragem são presos

Os dois mandados foram expedidos pela Justiça de Minas Gerais e cumpridos na cidade de São Paulo

Brumadinho

Mandados foram expedidos pela Justiça de MG

Mandados foram expedidos pela Justiça de MG

Pablo Nascimento/R7 MG

Dois engenheiros que teriam atestado a segurança da barragem que rompeu em Brumadinho (MG) foram presos na manhã desta terça-feira (29) na zona sul de São Paulo. 

O R7 teve acesso ao documento com exclusividade, classificado como restrito, assinado pelo engenheiro Makoto Namba, da Tüv Süd Bureau de Projetos, e pelo engenheiro da Vale César Augusto Paulino Granchamp.

Os mandados foram expedidos pela Justiça Estadual de Minas Gerais e cumpridos pelo MP-SP (Ministério Público de São Paulo) e pela Polícia Civil de São Paulo.

Além dos dois engenheiros, também foram presos três funcionários da Vale, em Minas Gerais, diretamente envolvidos e responsáveis pelo empreendimento minerário e seu licenciamento. As prisões são temporárias e têm prazo de 30 dias.

A Justiça cumpre sete mandados de busca e apreensão em sedes de empresas e residências de pessoas envolvidas. 

As autoridades investigam se os documentos feitos por empresas contratadas pela Vale, que atestavam a segurança da barragem, podem ter sido fraudados. 

O Ministério Público de Minas Gerais afirma que cinco pessoas foram presas: Makoto Namba e André Yum Yasuda foram presos em São Paulo, enquanto o Rodrigo Artur Gomes de Melo, Ricardo de Oliveira e César Augusto Granchamp foram presos em Minas Gerais. O R7 tenta contato com a defesa dos citados. 

Em nota, a Vale afirma que está colaborando com as autoridades.

"Referente aos mandados cumpridos nesta manhã, a Vale informa que está colaborando plenamente com as autoridades. A Vale permanecerá contribuindo com as investigações para a apuração dos fatos, juntamente com o apoio incondicional às famílias atingidas.

Procurada, consultoria alemã Tüv Süd manteve o posicionamento anterior e não comentou as prisões de hoje. 

"A Tüv Süd Brasil lamenta profundamente o rompimento da Barragem I da Mina de Córrego do Feijão, em Brumadinho, Minas Gerais.

A Tüv Süd Brasil fez duas avaliações da barragem a pedido da Vale: uma revisão periódica da segurança da barragem (junho de 2018) e uma inspeção regular da segurança da barragem (setembro de 2018).

Devido às investigações em andamento, a Tüv Süd Brasil não irá se pronunciar neste momento e fornece todas as informações solicitadas pelas autoridades."

O rompimento da barragem I da mina do Córrego do Feijão deixou pelo menos 65 mortos até o momento. Além disso, as autoridades ainda buscam por 279 desaparecidos. 

Especialistas apontam que método em Brumadinho é barato e inseguro 

undefined

undefined

Arte/R7