Novo Coronavírus

Brasil Ex-presidente da Pfizer no Brasil fala à CPI da Covid nesta quinta

Ex-presidente da Pfizer no Brasil fala à CPI da Covid nesta quinta

Carlos Murillo deverá ser questionado sobre oferta de doses ao governo no ano passado; contrato foi fechado em março de 2021

Mesa diretora da CPI da Covid no Senado

Mesa diretora da CPI da Covid no Senado

Leopoldo Silva/Agência Senado 12.05.2021

O ex-presidente da Pfizer no Brasil Carlos Murillo será ouvido nesta quinta-feira (13) na CPI do Senado, que investiga possíveis omissões do governo Jair Bolsonaro e desvio de verbas federais por estados e municípios no enfrentamento à pandemia de covid-19. Atualmente Murillo ocupa o cargo de CEO do laboratório na América Latina.

Murillo era o chefe da representação brasileira quando começaram as negociações com o governo para a compra de vacinas contra o novo coronavírus. Ele poderá dar mais informações sobre dados já trazidos pelo ex-secretário Especial de Comunicação Social Fabio Wajngarten na quarta-feira (12), confirmando envio de carta pela Pfizer em 12 de setembro à cúpula do governo brasileiro. A empresa teria ficado dois meses sem resposta.

O laboratório já afirmou que tinha oferecido em agosto 70 milhões de doses, que seriam entregues em pequenas quantidades a partir de dezembro de 2020. Como a negociação foi adiada, a aquisição ocorreu apenas em março deste ano, após o registro do produto pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária). As vacinas começaram a chegar no final de abril. O governo alegou que a proposta tinham cláusulas abusivas e que faltava segurança jurídica para a assinatura.

Além de ouvir Murillo, a CPI poderá aprovar novos requerimentos. O senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), por exemplo, solicita ao ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello o resultado de exame para detecção do coronavírus. Pazuello não compareceu à CPI na semana passada alegando estar com o novo coronavírus.

Também podem ser aprovados pedidos de informações à Abin (Agência Brasileira de Inteligência) e ao Ministério das Relações Exteriores sobre declarações do presidente Jair Bolsonaro nas quais afirma que existe a possibilidade de estar em curso uma guerra química, referindo-se indiretamente à China.

A CPI já ouviu o ex-ministro Nelso Teich e o atual titular da Saúde, Marcelo Queiroga, na semana passada. Na última terça-feira, o diretor-presidente da Anvisa, Antonio Barra Torres, prestou depoimento. 

Últimas