Brasil Falar em 3ª dose da vacina contra covid traz insegurança, diz ministro

Falar em 3ª dose da vacina contra covid traz insegurança, diz ministro

Marcelo Queiroga cobra que primeira dose do imunizante seja aplicada em 100% da população antes discussão

  • Brasil | Vanessa Lima, da Record TV em Brasília, com R7

Anvisa autorizou estudo para 3ª dose da AstraZeneca

Anvisa autorizou estudo para 3ª dose da AstraZeneca

Divulgação/Governo de SP - 27.2.2021

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, criticou nesta segunda-feira (19) os comentários a respeito da possível aplicação de uma terceira dose da vacina contra a covis-19. “Isso só leva a mais insegurança à população”, afirmou.

"Nós não conseguimos aplicar ainda a primeira dose da vacina em 100% da população. Qual é a evidência científica disponível para que possamos começar a falar em uma terceira dose?”, questionou Queiroga.

A fala do ministro surge após a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) autorizar estudos clínicos da aplicação da terceira dose da vacina AstraZeneca. O imunizante será aplicado em um período entre 11 e 13 meses após a primeira dose e busca avaliar a segurança, eficácia e imunogenicidade do reforço. Os voluntários serão os mesmos do primeiro ensaio feito para a aprovação da vacina.

Queiroga cobra a necessidade do desenvolvimento de evidências científicas para analisar a possibilidade e eficácia da aplicação de um reforço para a imunização. "Tenho feito um apelo a todos os gestores para que nós sigamos o Programa Nacional de Imunização", pediu.

Últimas