Brasil FGTS deverá bancar Minha Casa Minha Vida em 2020, diz ministro

FGTS deverá bancar Minha Casa Minha Vida em 2020, diz ministro

Gustavo Canuto, ministro do Desenvolvimento, disse que Fundo deverá abastecerer integralmente o financiamento nas faixas 1,5 e 2 do programa

FGTS deve bancar Minha Casa Minha Vida

FGTS deve bancar Minha Casa Minha Vida

Marcelo Camargo/Agência Brasil

O ministro do Desenvolvimento Regional, Gustavo Canuto, disse que o FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço) deve permanecer como o responsável por abastecer integralmente o financiamento nas faixas 1,5 e 2 do MCMV (Minha Casa Minha Vida) no ano que vem, replicando o mesmo modelo que foi adotado dias atrás.

Nessas faixas, 90% do recursos já vinham do fundo, enquanto 10% vinham do orçamento geral da União. Mas com a crise fiscal, a liberação de dinheiro público secou, paralisando a contratação de novas unidades dentro do programa.

Leia mais: Tire 35 dúvidas sobre o saque de R$ 500 do FGTS que começa nesta sexta

Diante disso, foi baixada portaria nesta semana definido que o fundo bancaria todo o financiamento nessas faixas, de modo a destravar as contratações. Com isso, o governo também espera preservar o dinheiro do orçamento para tocar as obras da faixa 1 do programa, voltadas para pessoas de renda menor.

"Isso provavelmente será replicado no ano que vem, mas ainda precisa ser batido com o Ministério da Economia", estimou Canuto durante entrevista coletiva, ao explicar algumas das premissas que vão nortear a nova versão do Minha Casa Minha Vida.

O ministro disse que dos R$ 49 bilhões de recursos do FGTS para o Minha Casa neste ano, R$ 22,8 bilhões já haviam sido repassados. Com a portaria editada esta semana, os outros R$ 26 2 bilhões foram liberados. "A partir de quarta-feira, alinhamos a situação com a Caixa e os contratos voltaram a rodar, assim espero", afirmou.

Canuto também sinalizou que a quantidade de unidades contratadas nas faixas 1,5, 2 e 3 do Minha Casa em 2020 tendem a ser simulares com o patamar de 2019. "A probabilidade é que os recursos de R$ 49 bilhões para o Minha Casa Minha Vida se mantenham no ano que vem. Alguns ajustes pontuais, como taxa de subsídio e valores regionais estão sendo discutidos."

Ele ponderou, entretanto, que o orçamento para o programa é definido pelo conselho curador do FGTS, do qual faz parte junto com outros representantes.