Novo Coronavírus

Brasil Governo anuncia campanha para convencer população a se vacinar

Governo anuncia campanha para convencer população a se vacinar

Slide no início da apresentação do plano nacional de imunização mostrou entre os laboratórios parceiros o Sinovac, da China

  • Brasil | Do R7

Governo separou plano em quatro fases

Governo separou plano em quatro fases

Brendan Mcdermid/Reuters - 14.12.2020

O governo federal anunciou nesta quarta-feira (16) detalhes do plano nacional de vacinação nacional contra a covid-19. E prometeu uma campanha para convencer pessoas do grupos de risco a tomar a vacina.

Governo vai comprar 330 milhões de seringas e agulhas para vacinação

O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, abriu seu discurso dizendo que há muita desinformação e ansiedade quando se fala sobre a pandemia.

"Senhores, vamos nos orgulhar de nossa capacidade. Ela não foi feita por mim. Ela já está lá. Foram nossos antecessores que criaram o SUS, que criaram o plano nacional de imunização. O povo brasileiro tem capacidade de ter o maior plano de imunização do mundo."

Pazuello também esclareceu que cabe aos governadores a transferência das vacinas aos municípios de seu Estado.

O ministro afirmou que todos os Estados da federação serão tratados de forma igualitária e todas as vacinas produzidas pelo Brasil terá prioridade no SUS.

Pazuello afirmou que não vê nada de errado nas medidas do governo em relação ao combate à pandemia. "Se tivesse visto, já teria corrigido."

O secretário de Vigilância em Saúde, Arnaldo Medeiros, primeiro a falar no evento no Palácio do Planalto, explicou que o documento, de 100 páginas, não seria todo detalhado ali, mas enfatizou que todas as decisões tiveram o aval de 140 especialistas consultados pelo ministério.

Entre os parceiros apontados por Medeiros estava o Instituto Burantan, que desenvolve com o laboratório chinês Sinovac uma das vacinas que estão sendo testadas no mundo.

O Sinovac aparecia também no slide de apresentação dos laboratório mundiais que estavam desenvolvendo a vacina.

Ele também anunciou o investimento de mais de R$ 80 milhões para a compra de 330 milhões de agulhas e seringas.

Medeiros explicou ainda que o critério para a escolha dos grupos prioritários para a vacinação foi a manutenção do funcionamento de serviços essenciais à população, fazendo menção aos profissionais de saúde, além do foco em pessoas que têm mais riscos de morte no caso de contraírem o vírus.

O presidente Jair Bolsonaro estava presente no evento marcado para explicar o documento enviado pelo Ministério da Saúde ao STF (Supremo Tribunal Federal) no último fim de semana.

Ele também não trouxe detalhes específicos sobre datas para o início das imunizações, mas defendeu a união nacional entre o governo federal e todos os chefes de Executivo estaduais. "São 27 governadores com um propósito comum: a volta à normalidade", disse.

Grupos prioritários

Na terça-feira (15), o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, respondeu que o ministério tem condições de iniciar a distribuição de vacinas cinco dias após a aprovação da Anvisa.

Outro trecho esclarecido pelo ministério é a duração das campanhas de vacinação para os grupos prioritários, que serão quatro.

A expectativa é imunizar cerca de 51 milhões de pessoas no período de quatro meses.

"O Ministério da Saúde estima que no período de doze meses concluirá a vacinação da população em geral, o que dependerá,  concomitantemente, do quantitativo de imunobiológico disponibilizado para uso, completando-se o plano de vacinação em um total de aproximadamente dezesseis meses."

Ainda de acordo com o ministério, qualquer plano só será concretizado após aprovação de uma vacina, seja pelo registro sanitário ou autorização de uso emergencial, pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária).

Últimas