Governo diz que responsável pela Amazônia não foi demitida do INPE

Ministro Marcos Pontes diz que Lubia Vinhas foi apenas transferida e vai assumir um projeto estratégico devido à reestruturação do órgão

Pontes classificou a situação como um "mal-entendido”

Pontes classificou a situação como um "mal-entendido”

Marcelo Camargo/Agência Brasil 28.03.2019

O ministro da Ciência e Tecnologia, Marcos Pontes, afirmou nesta terça-feira (14) que Lubia Vinhas, responsável pelo monitoramento da devastação da Amazônia, não foi demitida do INPE (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais). Ela teve a exoneração publicada no Diário Oficial desta segunda-feira (14).

De acordo com Pontes, Lubia foi apenas transferida por conta do processo de reestruturação do órgão e vai assumir um projeto estratégico. "Ela não foi demitida. Ela continua no INPE em outra função estratégica, dadas as características do currículo e os conhecimentos dela", disse ele.

O ministro destaca que a mudança não tem relação com os dados de alerta do desmatamento na região da Amazônia. Ele ainda classificou a situação como um "mal-entendido”.

"Talvez se eu tivesse prestado um pouco mais de atenção, eu esperava um pouquinho para fazer essa mudança. Não aconteceu. Falha minha", completou ele.

O diretor do Inpe, Darcton Damião, avalia que a surpresa de Lubia deve ter ocorrido pela data em que a exoneração foi publicada. "Esse assunto é discutido há pelo menos seis messes", revelou.

Lúbia Vinhas é pesquisadora do INPE

Lúbia Vinhas é pesquisadora do INPE

Reprodução/INPE