Governo trabalha por mais 40 votos para votar Previdência, diz Marun

Ministro da Secretaria de Governo reafirmou que data limite para votar reforma é fevereiro

Wilson Dias/Agência Brasil

O ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun, disse nesta quarta-feira (14) que o governo ainda trabalha com a ideia de conseguir mais 40 votos a favor da reforma da Previdência. Ele reiterou que fevereiro é a data limite para a Câmara votar a proposta, mas ressaltou que a decisão de colocar a medida em votação será do presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ).

Previdência: novo texto inclui pensão vitalícia a viúvas de policiais

Marun afirmou que deve se reunir com líderes dos partidos já na próxima segunda-feira para fazer uma avaliação mais atualizada da posição das bancadas em relação à reforma.

Por se tratar de uma PEC (Proposta de Emenda à Constituição), a reforma precisa do apoio de pelo menos 308 dos 513 deputados em dois turnos de votação, antes de seguir para o Senado.

Mais uma reforma e o problema da previdência continuará

Marun reforçou que novas modificações no texto da Previdência só poderão ocorrer se garantirem mais votos favoráveis à proposta.

Empresário fala sobre a importância da reforma da Previdência

O ministro aproveitou também para reafirmar que o governo continua confiando no "bom senso" da Justiça sobre a posse da deputada Cristiane Brasil (PTB-RJ) no Ministério do Trabalho.

Nesta quarta-feira, a presidente do Supremo Tribunal Federal, ministra Cármen Lúcia, decidiu que cabe ao STF julgar o processo que envolve a posse da deputada no ministério e não do STJ (Superior Tribunal de Justiça).

Cármen Lúcia determinou a remessa dos autos do caso do STJ ao STF para julgamento pela corte. Na prática, a posse da deputada continua suspensa até julgamento do caso pelo Supremo.